Medida da Petrobras infla saldo comercial em US$ 6 bi

As importações brasileiras estão subestimadas em cerca de US$ 6 bilhões este ano por causa de compras de petróleo e derivados realizadas pela Petrobras que ainda não foram contabilizadas na balança comercial. A discrepância ajuda a melhorar o superávit do País, que vem sendo duramente afetado pela crise global.

Se essas importações já tivessem sido computadas, o saldo comercial estaria em US$ 11,4 bilhões, em vez dos US$ 17,4 bilhões apurados de janeiro a outubro. No período, o superávit registra recuo de 31,6% em relação ao ano passado. Sem a "ajuda" do petróleo, essa queda poderia chegar a 55,2%.

Uma comparação entre os dados do balanço da Petrobras e os registros da balança comercial mostra o tamanho do descompasso. A quantidade de petróleo e derivados importada cresceu 13,5% no terceiro trimestre em relação ao segundo trimestre, conforme o balanço da estatal, mas recuou 38,8% segundo a Secretaria de Comércio e Exterior (Secex), do Ministério do Desenvolvimento. Exclusivamente na gasolina, a diferença é maior: alta de 90% segundo a Petrobras e queda de 35,8% pela Secex.

Com a produção estagnada, a Petrobras tem recorrido crescentemente às importações para fazer frente ao aumento do consumo de combustíveis no País, resultado de reduções de tributos para estimular a venda de carros. De janeiro a outubro, foram licenciados 3,13 milhão de veículos novos, alta 5,7% em relação ao mesmo período de 2011.

Apesar dessa situação, os dados do ministério mostram que a importação de petróleo e derivados caiu de 12 milhões de toneladas no segundo trimestre para 7,38 milhões no terceiro. Se o ritmo de alta registrado pela Petrobras no período (13,5%) tivesse sido o mesmo nas estatísticas do governo, o País deveria ter importado 13,69 milhões de toneladas no terceiro trimestre.

Por essas contas, não teriam sido computadas 6,3 milhões de toneladas que, ao preço médio do terceiro trimestre, equivalem a US$ 4,67 bilhões. Ainda não há dados públicos da Petrobras para outubro, mas mantido patamar equivalente de discrepância do mês passado, a perda sobe para US$ 6,2 bilhões. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

cotações recentes

 
Cotações recentes
Símbolo Preço Variação % Var 
Seus tickers vistos mais recentemente aparecerão aqui automaticamente se você digitou um ticker no campo "Inserir símbolo/empresa" na parte inferior deste módulo.
É necessário permitir os cookies do seu navegador para ver as cotações mais recentes.
 
Entre para ver as cotações nos seus portfólios.

Resumo do Mercado

  • Moedas
    Moedas
    NomePreçoVariação% Variação
    3,0843-0,019-0,61%
    USDBRL=X
    3,2775-0,0172-0,52%
    EURBRL=X
    0,9411-0,0006-0,06%
    USDEUR=X
  • Commodities
    Commodities
    NomePreçoVariação% Variação

Destaques do Mercado

  • Líderes em Volume
    Líderes em Volume
    NomePreçoVariação% Variação
    33,96+1,71+5,30%
    VALE5.SA
    15,69+0,08+0,51%
    PETR4.SA
    26,00+3,20+14,04%
    BRAP4.SA
    17,19+0,43+2,57%
    LAME4.SA
    5,95+0,08+1,36%
    GOAU4.SA
  • Altas %
    Altas %
    NomePreçoVariação% Variação
    6,00+1,70+39,53%
    MEND6.SA
    21,75+3,27+17,69%
    BRAP3.SA
    0,99+0,14+16,47%
    BBTG12.SA
    26,00+3,20+14,04%
    BRAP4.SA
    2,59+0,29+12,61%
    STBP3.SA
  • Baixas %
    Baixas %
    NomePreçoVariação% Variação
    3,67-0,23-5,90%
    FRTA3.SA
    5,07-0,31-5,76%
    CTKA4.SA
    3,78-0,22-5,50%
    DTCY3.SA
    12,00-0,68-5,36%
    MTSA4.SA
    9,55-0,45-4,50%
    FESA3.SA