Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.581,67
    +2.906,97 (+6,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Médico que tomou doses da CoronaVac e Oxford em menos de quatro dias é investigado pelo MP

Redação Notícias
·4 minuto de leitura
O médico Oliveiro Pereira da Silva Alexandre disse que tomou uma dose da CoronaVac e outra da Oxford/AstraZenec (Foto: ReproduçãoYoutube)
O médico Oliveiro Pereira da Silva Alexandre disse que tomou uma dose da CoronaVac e outra da Oxford/AstraZenec (Foto: ReproduçãoYoutube)

O Ministério Público (MP) de Assis, no interior de São Paulo, abriu inquérito nesta terça-feira (16) contra um médico da cidade que anunciou ter tomado duas doses de vacinas diferentes contra a Covid-19 em um intervalo de apenas quatro dias.

Em um vídeo publicado nas redes sociais, na segunda-feira (15), o médico Oliveiro Pereira da Silva Alexandre disse que tomou uma dose da CoronaVac, imunizante desenvolvido pelo Instituto Butantã em parceria com a farmacêutica chinesa SinoVacn, e outra da Oxford/AstraZeneca.

Leia também

De acodo com o G1, o caso também é investigado pela Prefeitura de Assis e pela cooperativa médica à qual ele pertence através de possíveis processos na Justiça. O vídeo foi removido na terça-feira (16).

“Lembra que eu falei para vocês que eu tomei a CoronaVac e, por minha conta, eu tomei a da AstraZeneca. Isso não pode, tá bom? Isso não pode", disse Oliveiro no vídeo.

O pneumologista ainda contou como conseguiu o acesso às vacinas. “A nossa Unimed conseguiu a AstraZeneca, que até o momento parece ser a melhor vacina. Eu tomei essa também com seis dias de diferença”, disse.

O médico fala no vídeo que, dias após tomar a primeira dose, da CoronaVac, recebeu uma ligação de um hospital particular para que fosse imunizado. Segundo ele, o informaram que as vacinas que não forem usadas terão que ser descartadas por causa do resfriamento, vence o tempo dela ficar exposta e a gente não pode usar mais.

“Eu pensei: ‘bom, a vacina vai ficar perdida se eu não tomar, não faz diferença’. Mas eu posso trocar a outra dose da CoronaVac pela Astrazeneca, foi esse o meu raciocínio lógico. Eu vou lá, tomo da Astrazeneca, é dose única, já estou na linha de frente mesmo, estou protegido, e a última dose da CoronaVac eu não tomaria, fica à disposição para outro cidadão. Então ninguém tomou vacina de ninguém, ninguém ficou sem vacina por minha causa”, afirmou.

Intervalo de menos de uma semana

A Prefeitura de Assis confirmou que o médico tomou as doses de laboratórios distintos. A primeira, no dia 29 de janeiro, no Hospital Regional e na condição de servidor público que trabalha na linha de frente de combate à pandemia.

Já a segunda dose, da AstraZeneca, o médico conseguiu receber no dia 2 de fevereiro, como beneficiário de um convênio da cooperativa médica da qual ele é integrante e que montou um posto de vacinação para profissionais da saúde que atendem casos suspeitos na rede particular.

Na terça-feira (16), o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, afirmou que o governo “não compactua com este tipo de atitude”, que contraria os protocolos de que quem toma uma determinada vacina deverá tomar a segunda dose da mesma vacina.

“Todas as irregularidades estão sendo acompanhadas de perto pelo MP para avaliar as condutas de quem deu a dose, quem recebeu, e por que isso aconteceu fora do que é preconizado pelo PNI [Plano Nacional de Imunização]. Cada dose de vacina é patrimônio público e o seu uso incorreto deve ser apurado”, disse Gorinchteyn.

MP pede detalhes

De acordo com o G1, o procedimento do MP também dá prazo de 10 dias para que a prefeitura informe detalhes de como se dá a vacinação no município e explique as circunstâncias que possibilitaram que um agente público tivesse acesso às primeiras doses de imunizantes de fabricantes diferentes fornecidos pelo poder público.

Ainda segundo o jornal, os promotores também cobram do Hospital Regional, onde o médico é servidor, informações sobre as providências adotadas para apuração da responsabilidade administrativa do médico.

Em nota, a Secretaria de Saúde do Estado informou que os municípios foram orientados quanto à correta aplicação das vacinas contra Covid-19 disponíveis até o momento, e há também orientações nas bulas.

Em nota, a Unimed Assis informou que a cooperativa foi apenas um ponto de vacinação, por meio de uma parceria com a Secretaria de Saúde do município.

No texto, a cooperativa reforça que não comercializa doses da vacina, tendo apenas disponibilizado algumas unidades para profissionais de saúde, conforme critérios estabelecidos no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19.