Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.135,84
    +694,16 (+1,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Médica que rejeitou Ministério da Saúde projeta 500 mil mortes por Covid: 'Cenário é bastante sombrio'

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
Foto: Reprodução/Globonews
Foto: Reprodução/Globonews

A médica Ludhmila Hajjar, que foi cotada por Jair Bolsonaro (sem partido) para assumir o Ministério da Saúde e recusou a oferta do presidente, avaliou nesta segunda-feira (15) que o cenário do Brasil durante a pandemia de coronavírus é "bastante sombrio".

"Cenário no Brasil é bastante sombrio", disse ela em entrevista à GloboNews. Durante a entrevista, Ludhmila ainda projetou que o número de mortes pela Covid-19 no Brasil vai chegar em 500 mil. Hoje, o país registra 278.229 óbitos e mais de 10 milhões de infectados pelo vírus.

Leia também:

Segundo ela, um dos motivos de não ter aceitado substituir Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde é porque não havia "convergência técnica" entre ela e o governo Bolsonaro.

Além disso, para Ludhmila o que o governo esperava não se encaixa no seu perfil, qualificação e linha que segue.

A médica também defendeu medidas de isolamento social para reduzir a mortalidade e prioridade na compra de vacinas contra a Covid-19.

"Penso pra isso neste momento, para reduzir as mortes, tem que reduzir a circulação das pessoas, de maneira técnica e respaldada por dados científicos."

A médica ainda avaliou que o Ministério da Saúde deve orientar equipes médicas sobre a melhor forma de atender pacientes com Covid-19, criando referência nacional de protocolo, criticando a preocupação do governo em discutir o uso de medicamentos sem comprovação de eficácia em casos de coronavírus.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"O Brasil precisa de protocolos, e isso é pra ontem. (...) Nós estamos discutindo azitromicina, ivermectina, cloroquina. É coisa do passado. A ciência já deu essa resposta. (...) Perdeu-se muito tempo na discussão de medicamentos que não funcionam", disse. "Não dá para esperar dezembro a população ser vacinada."

Por fim, ela lamentou o rumo que o Brasil tomou e está tomando durante a pandemia. “Infelizmente, imperou quem quer o mal no Brasil”, afirmou. “Meu partido político é a saúde”, concluiu.

AMEAÇA DE MORTE DE BOLSONARISTAS

Nesta segunda-feira (15), Ludhmila Hajjar afirmou que sofreu ataques de apoiadores do presidente da República. Mais cedo, em entrevista à CNN, ela relatou tentativas de invasão ao hotel onde ela estava e ameaças de mortes por parte de bolsonaristas.

“Eu recebi ataques, tentativa de invasão no hotel que eu estava, ameaças de morte, fui agredida com áudios e vídeos falsos com perfis. Mas estou firme e forte aqui. Hoje volto para São Paulo para continuar a minha missão, que é ser médica. Estou à disposição do meu país e vou continuar atendendo pessoas da direita e da esquerda”, declarou.

A médica cardiologista recusou o convite para ocupar o cargo por divergências com Jair Bolsonaro. Ela já havia se manifestado contra o chamado “tratamento precoce”, ou seja, uso de medicamentos comprovadamente ineficazes contra a covid, incentivados pelo presidente. Além disso, apoiava o isolamento social e a vacinação em massa.