Mercado abrirá em 9 h 54 min
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,72
    +0,29 (+0,47%)
     
  • OURO

    1.786,90
    +4,90 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    50.060,17
    -3.504,51 (-6,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.134,57
    -108,49 (-8,73%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    29.038,24
    +282,90 (+0,98%)
     
  • NIKKEI

    28.983,31
    -204,86 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    13.767,00
    +16,75 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5450
    +0,0034 (+0,05%)
     

Médica que recusou Ministério da Saúde sugere quatro medidas essenciais contra Covid-19

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Ludhmila Hajjar - Foto: Reprodução
Ludhmila Hajjar - Foto: Reprodução

A médica Ludhmila Hajjar se tornou um dos assuntos mais comentados do país nesta segunda-feira ao rejeitar o convite de Jair Bolsonaro para assumir o Ministério da Saúde, na vaga do atual ministro Eduardo Pazuello.

Ludhmila alegou falta de “convergência técnica” para justificar a recusa. Em entrevista à CNN Brasil, ela explicou que “o presidente ficou preocupado com a minha gestão não agradar alguns grupos, de sofrer ataques”.

Leia também:

A médica não escondeu que considera o cenário brasileiro na luta contra a Covid-19 bastante complicado, mas deu sugestão de quatro medidas que avalia essenciais para que o país vença esta batalha.

Quais são as medidas que Ludhmila Hajjar considera essenciais contra a pandemia?

  1. Ativação de novos leitos

  2. Protocolo nacional de tratamento para pacientes internados

  3. Vacinação em massa

  4. Busca de novos remédios

Ludhmila, porém, não demonstrou muito otimismo em relação à realização destes pontos e considerou o momento do país "bastante sombrio", em entrevista à GloboNews. Ela afirmou, ainda, que a preocupação do governo Bolsonaro parece mais voltada à economia e aos impactos sociais do que à contenção da pandemia.