Mercado abrirá em 9 h 42 min
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.783,10
    +5,70 (+0,32%)
     
  • BTC-USD

    33.792,66
    +1.072,69 (+3,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    810,24
    +15,91 (+2,00%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.630,56
    +320,80 (+1,13%)
     
  • NIKKEI

    28.916,68
    +32,55 (+0,11%)
     
  • NASDAQ

    14.297,50
    +39,25 (+0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9130
    -0,0068 (-0,11%)
     

Medição direta : Samsung testa tela Oled “esticável” para aplicar na pele dos usuários

·1 minuto de leitura
Medição direta : Samsung testa tela Oled “esticável” para aplicar na pele dos usuários
Medição direta : Samsung testa tela Oled “esticável” para aplicar na pele dos usuários

Quem costuma fazer exercícios físicos entende bem como às vezes atrapalha usar um smartwatch no pulso para algumas atividades. Esse incômodo pode deixar de existir: a Samsung desenvolveu uma tela OLED que é basicamente um adesivo de pele e pode funcionar como rastreador fitness.

O display flexível foi criado por pesquisadores do Samsung Advanced Institute of Technology. O OLED extensível pode ser preso ao pulso para oferecer as informações sobre o condicionamento físico dos usuários. A tela está integrada a um sensor de frequência cardíaca PPG.

O OLED, no teste, continuou confiável mesmo com alongamento da pele de até 30%.

O display também segue funcionando de maneira estável mesmo depois de ser esticado mil vezes. Além dos exercícios físicos, o adesivo pode ser usado para medir dados biométricos durante o sono e não há necessidade de conectar a outro dispositivo para ver as informações.

Para chegar a essa tela OLED, a equipe de pesquisadores da Samsung modificou a composição e estrutura do elastômero, composto de polímero, e usou processos de fabricação de semicondutores já existentes.

A companhia sul-coreana afirma que essa tecnologia é a primeira da indústria, e que também pode ser usada em vários aplicações como em aparelhos vestíveis.

Os desenvolvedores afirmam que a tecnologia será vendida quando tiver uma resolução maior do sistema, com elasticidade e precisão da medição, e a possibilidade de produção em massa.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos