Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,51
    +0,19 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.742,70
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    60.204,96
    +1.020,14 (+1,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.781,00
    -48,50 (-0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7627
    -0,0015 (-0,02%)
     

MEC quer que universidades federais impeçam atos políticos

·1 minuto de leitura
A general view of the University of Brasilia (UNB), as it is closed for five days after reports of the coronavirus in Brasilia, Brazil March 13, 2020. REUTERS/Adriano Machado
Universidade de Brasília é uma das instituições de ensino mantidas pelo governo federal (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

No último dia 7 de fevereiro, o Ministério da Educação enviou um ofício pela Rede de Instituições Federal de Ensino Superior (Ifes) pedindo que as universidades federais punam atos políticos. As informações são do portal G1.

O ofício pede que as instituições tomem providências para “prevenir e punir atos político-partidários nas instituições públicas federais de ensino”. A demanda tem base em uma recomendação do procurador-chefe da República em Goiás, Ailton Benedito de Souza, feita em 2019. O argumento de Benedito é que as manifestações políticas, sejam elas contrárias ou favoráveis ao governo, ferem o “princípio da impessoalidade”.

Leia também

Esse mesmo procurador questionou na Justiça a Sociedade Brasileira de Infectologia por desaconselhar o uso de medicamentos comprovadamente ineficazes contra a covid.

O MEC, ao recomendar a punição das manifestações políticas, afirma que a determinação abarca comentários ou atos que aconteçam no “espaço físico onde funcionam os serviços públicos; bem assim, ao se utilizarem páginas eletrônicas oficiais, redes de comunicações e outros meios institucionais para promover atos dessa natureza”.

Em 2020, o Supremo Tribunal Federal havia decidido por unanimidade que qualquer determinação contra a liberdade de expressão de alunos e professores é inconstitucional. A corte analisou o caso porque universidades públicas foram alvo de operações policiais, autorizadas por juízes eleitorais, para averiguar se campanhas eleitorais nas instituições de ensino.

Segundo o G1, o Ministério da Saúde não respondeu o contato para explicar o ofício.