Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.591,41
    -172,59 (-0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.435,45
    +140,65 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,81
    +0,05 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.821,30
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    20.329,43
    -355,04 (-1,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    440,76
    -9,30 (-2,07%)
     
  • S&P500

    3.821,55
    -78,56 (-2,01%)
     
  • DOW JONES

    30.946,99
    -491,31 (-1,56%)
     
  • FTSE

    7.323,41
    +65,09 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    22.125,61
    -293,36 (-1,31%)
     
  • NIKKEI

    26.727,38
    -322,09 (-1,19%)
     
  • NASDAQ

    11.684,50
    +10,25 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5436
    +0,0021 (+0,04%)
     

McDonald's pagará 1,2 bilhão de euros para evitar processo na França por fraude fiscal

A rede McDonald's concordou em pagar cerca de 1,25 bilhão de euros (US$ 1,3 bilhão) na França para evitar um processo legal por fraude fiscal entre 2009 e 2020, segundo o acordo validado nesta quinta-feira (16) pelo Tribunal de Justiça de Paris.

O presidente do tribunal, Stéphane Noël, validou o pagamento de uma multa de interesse público de 508 milhões de euros, aceita pela cadeia de restaurantes de fast food, que também aprovou em maio o pagamento de 737 milhões de euros ao Tesouro para regularizar seu imposto societário evadido.

Ao aceitar essa convenção de interesse público (Cijp), a maior já concluída com a Procuradoria Nacional Financeira (PNF), o grupo evita um processo na França e resolve sua disputa tanto com a administração tributária quanto com o Ministério Público.

A rede americana saudou nesta quinta o "fim" da disputa e garantiu que "tem feito tudo para se adequar às normas".

"Este acordo põe fim a uma disputa tributária e a uma investigação judicial sem admissão de culpa", escreveu em um comunicado o McDonald's França, acrescentando que trabalha com a administração francesa em seu plano tributário.

A justiça francesa suspeita que a empresa, na mira do Tesouro desde 2014, reduziu artificialmente seus lucros a partir de 2009, ao pagar royalties pela exploração da marca McDonald's à sua controladora europeia com sede em Luxemburgo.

Isso "levou à absorção de grande parte das margens geradas pelos restaurantes franceses e à redução dos impostos pagos na França pelas várias estruturas do grupo", disse o presidente do tribunal.

O procurador da PNF, Jean-François Bohnert, ressaltou que foi aplicado o "valor máximo" de multa de interesse público, e indicou que o montante do acordo representa "2,5 vezes o valor dos impostos evadidos" pelo grupo, 469 milhões de euros.

Esta "sanção real, tanto simbólica quanto econômica", confirma a "eficácia" da Cijp no campo da tributação das empresas, "em que a sanção financeira é o meio mais adequado para responder às fraudes transnacionais", acrescentou.

A investigação criminal foi aberta após denúncia de trabalhadores do McDonald's em Paris e do sindicato CGT.

Os funcionários ainda podem solicitar a um tribunal civil uma compensação por danos.

Uma coalizão de sindicatos europeus e americanos e uma associação britânica que luta contra a pobreza comemorou o "vexame" para o McDonald's e a "vitória" para os funcionários.

gd-edy/tjc/bl/es/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos