Mercado fechado

Médium vira estrela de reality show e quer provar que é "normal"

Matt sobre a família: "Somos loucos, não assustadores" (Foto: Divulgação/Instagram @meetmattfraser)

Matt Fraser e sua família estrelam ‘Meet The Frasers’, o novo reality show do canal pago E! que estreia nesta quarta-feira (10), às 22h. A comparação com o sucesso ‘Keeping Up With The Kardashians’ é inevitável, mas um dom separa o protagonista da atração de Kim Kardashian: a mediunidade. “A diferença é que minha família vê e ouve gente morta”, brinca Matt em entrevista ao Yahoo por telefone. “Tomo o título de ‘nova Kim’ como um elogio, todas elas [as irmãs] são inspiradoras”, completa.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

O médium tem 28 anos e vive em Rhode Island, nos Estados Unidos. Matt roda o país demonstrando seu dom, atendendo clientes e ficou famoso pelas participações na televisão. Agora, à frente de sua própria série, ele quer provar que sua família é mais “normal” do que muitos pensam. Sim, os Frasers se amam, brigam, gritam (e muito) e até trabalham juntos — o negócio da família gira em torno de Matt. “Não somos como as Kardashians, na verdade. Não somos uma família ‘para a TV’. Minha mãe não é delicada, nunca está com o cabelo arrumado ou usando maquiagem... Todos no programa são reais porque vivem a vida real”, explica.

Leia também

A miss Alexa Papigiotis, namorada de Matt, Angela, a mãe, e Maria, a irmã mais nova, são tão protagonistas quanto ele. Os sogros do médium também participam do reality. Todos são tão presentes que o casal tem dificuldade para tocar a vida a dois. “Eles passam do limite. Nossas mães se metem na muito nas nossas vidas. Estão constantemente em cima da gente e não nos deixam em paz — e não conseguimos nos livrar delas porque trabalhamos juntos. Fico um pouco nervoso, mas eu os amo muito”, diz Fraser.

Enquanto briga com a mãe por não se arrumar para as câmeras, o médium e a namorada ostentam looks poderosos. Seu guarda-roupa é cheio de brilho — do terno ao sapato — e ele enxerga a moda como uma forma de se aproximar do público. “Eu e Alexa amamos moda, esse é o motivo pelo qual nos damos muito bem. E amo usar coisas diferentes para animar as pessoas. Pensam que um médium é alguém ‘dark’. Quero provar o oposto. Sou apenas um cara de 28 anos que tem um dom, e uso a moda para mostrar que eu divertido e cheio de energia”, desabafa. “Minha família não é assustadora, só um pouco louca”, ironiza.

O médium Matt Fraser é "fabuloso" (Foto: Reprodução/Giphy)

Fama não era objetivo

Antes de virar celebridade, Matt era paramédico. Apesar de parecer um homem narcisista, garante que nunca quis ser famoso pelo dom que compartilha com a mãe. “Sempre quis trabalhar na área da saúde até perceber que também poderia usar meu dom para ajudar as pessoas. Tudo começou como um hobby e parei aqui, nunca imaginei ser famoso”, afirma. O jovem ainda não bomba nas redes sociais (ele tem apenas 51 mil seguidores no Instagram), mas se empenha na carreira de influenciador digital compartilhando um estilo de vida “chique” com direito a roupas grifadas, viagens de jatinho e champanhe.

E a família inteira comemora a repercussão do reality, que estreou nos EUA em janeiro deste ano. “Não esperavam que as pessoas fossem pará-los na rua para tirar fotos, não esperavam ser tão populares. Eles estão muito felizes com o carinho”, diz Matt.

Quarentena virou férias

Para quem vive grudado com a família intrometida e “sem limites”, o isolamento social devido ao novo coronavírus caiu como uma luva. A sensação de folga, no entanto, não durou muito tempo: acredite ou não, Matt e Alexa já estão com saudade da família.

“No começo da quarentena estava tudo muito tranquilo, parecia férias. Ficamos juntos, limpamos a casa, organizamos as coisas. Mas sinto falta deles. Não vejo minha mãe há três meses porque ela tem problemas de saúde. Tem sido um desafio porque nossos pais e irmãs estão sempre na nossa casa. Você não percebe o que tem até perder”, desabafa. A solução é fazer chamadas de vídeo. Os eventos de Matt, inclusive, foram cancelados por causa da pandemia e ele tem feito atendimentos online.

Futuro pós-manifestações antirracistas

Matt lamenta a morte de George Floyd por um policial e está esperançoso com o futuro após os protestos antirracistas que acontecem no mundo inteiro. “Fiquei com o coração partido. Ver alguém ser morto no seu país por alguém que deveria te proteger é devastador. Apoiamos as pessoas que estão se manifestando e acho que é só o começo da mudança. Estou esperançoso”, reflete. “As pessoas querem ver mudanças e estão usando suas vozes. Precisamos mudar o mundo agora para que os nossos filhos não precisem lidar com o racismo”, finaliza.