Mercado fechará em 5 h 52 min
  • BOVESPA

    125.968,94
    +1.356,91 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.997,87
    +87,34 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,95
    +0,30 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.794,10
    -5,70 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    39.573,27
    +1.588,93 (+4,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    927,59
    -2,34 (-0,25%)
     
  • S&P500

    4.398,13
    -3,33 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    34.981,16
    -77,36 (-0,22%)
     
  • FTSE

    7.016,44
    +20,36 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    14.976,75
    +29,00 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0482
    -0,0602 (-0,99%)
     

Mato Grosso anuncia ferrovias de R$ 12 bilhões e joga pressão sobre Ferrogrão

·5 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O governo do Mato Grosso anunciou nesta segunda-feira (19) chamada pública em busca de investidores para dois ramais ferroviários no estado, em um movimento que joga pressão sobre a Ferrogrão, um dos principais projetos de infraestrutura do governo Jair Bolsonaro.

Oponente da ferrovia federal, a Rumo Logística já se apresentou como interessada ao projeto mato-grossense, que atende as mesmas regiões de seu projeto Malha Norte, ligando seu terminal de Rondonópolis, no sul do estado, a Cuiabá e Lucas do Rio Verde.

O projeto do Mato Grosso tem investimentos estimados em R$ 12 bilhões na construção de 730 quilômetros de trilhos. O objetivo é iniciar as operações do primeiro ramal, para Cuiabá, em 2025. O segundo, a Lucas do Rio Verde, começaria a operar em 2028.

A decisão do governo Mauro Mendes (DEM) dificulta o esforço do Ministério da Infraestrutura para viabilizar a Ferrogrão, ferrovia de quase mil quilômetros para ligar Sorriso (MT) a portos no Pará. O projeto do governo federal prevê aportes do Tesouro caso a Malha Norte fique pronta antes de 2045.

Para a cobertura de riscos do empreendedor, incluindo o início antecipado da ferrovia concorrente, o Ministério de Infraestrutura separou R$ 2,2 bilhões pagos pela Vale para renovar concessões.

Em entrevista após o lançamento do projeto, o governador do Mato Grosso disse que a concorrência entre os projetos ferroviários é benéfica ao país e que os ramais estaduais não atenderão apenas a produção agrícola do estado.

"Daqui poderão sair milhões de litros de etanol, milhões de quilos de proteína para outras regiões do país. Já a Ferrogrão é uma ferrovia de exportação", afirmou. "Dizer que uma tem que sair primeiro para depois viabilizar a outra é um argumento que não para de pé."

A construção da Ferrogrão é foco de um embate entre a Rumo e o governo Jair Bolsonaro. Nos bastidores, a empresa reclama que seu projeto vem sendo atrasado para viabilizar a saída pelo norte. Agora, com apoio do governo do Mato Grosso, ela larga na frente.

Em evento nesta segunda, o governador Mendes defendeu que o modelo proposto garante a concorrência pela construção dos ramais, mas o projeto apresentado dá larga vantagem à Rumo, que já opera a malha que liga o Porto de Santos a Rondonópolis.

O projeto será feito pelo modelo de autorização, no qual o empreendedor assume todos os riscos —diferente de uma concessão, que costuma garantir taxa de retorno mínima. Ao propor a autorização, o Mato Grosso se antecipa a legislação federal sobre o assunto, que está em debate no Congresso.

O governador Mendes afirmou ter certeza da legalidade da proposta, que seguiria lei de 2011 sobre trechos ferroviários estaduais. "Temos toda a segurança jurídica sobre o lançamento dessa alternativa, não temos a menor dúvida."

"Essa vai ser a ferrovia da indústria", disse o governador. "O modal ferroviário é muito importante para a saída dos grãos, mas também conecta a indústria de Mato Grosso com os grandes centros consumidores. Exportar é bom, mas a conexão com a indústria nacional é pelo Sul-Sudeste."

No evento desta segunda, a Fiemt (Federação das Indústrias do Mato Grosso) estimou que os novos ramais atraiam até R$ 30 bilhões em investimentos para o estado. O governo espera a geração de 235 mil empregos durante as obras.

Durante cerca de duas horas, parlamentares e representantes empresariais defenderam o projeto. Aliado do presidente Jair Bolsonaro, o senador Jayme Campos (DEM) criticou a demora do governo em liberar a expansão da Malha Norte e criticou pressões do governo federal contra as autorizações.

"Apoio o governo Bolsonaro, desde que não atrapalhe os interesses do Mato Grosso", afirmou. "Eu já disse ao ministro Tarcísio [Gomes de Freitas, da Infraestrutura]: sai da minha linha de tiro."

Além da conexão com a Malha Paulista e a Ferrogrão, um terceiro projeto disputa a produção de grãos do Mato Grosso: a Fico (Ferrovia de Integração do Centro-Oeste) será construído pela Vale, como contrapartida à renovação das concessões ferroviárias da mineradora.

Em nota divulgada nesta segunda, o ministério diz que a concorrência pela logística no Centro-Oeste "evita a concentração de mercado na mão de um único player, estimulando a concorrência entre três saídas ferroviárias para a produção de grãos e a redução de custos para o produtor."

No texto, afirma ainda que, como qualquer outro modelo, a construção de ferrovias via autorização será apoiado pelo Ministério da Infraestrutura, que tem buscado mudar o marco legal por meio de projeto de lei em tramitação no Senado.

O governo federal fala em licitar a Ferrogrão ainda em 2021, mas depende de aval do STF (Supremo Tribunal Federal), que suspendeu a alteração de limites da Floresta Nacional do Jamanxim (PA) para a passagem dos trilhos.

O projeto enfrenta ainda resistência do Ministério Público Federal, de povos indígenas e de ambientalistas. Em agosto, uma delegação internacional de ativistas e políticos de esquerda desembarca no Brasil para pressionar contra a ferrovia.

O ministro Tarcísio Gomes de Freitas aposta tanto no projeto que decidiu licitar a concessão da BR-163, hoje a principal rota de grãos para o Norte do país, com prazo de apenas dez anos. Depois disso, justificou, a ferrovia substituirá os caminhões.

O leilão, no início de julho, teve apenas um concorrente, o Consórcio Via Brasil, que arrematou o contrato propondo deságio de 8,09% na tarifa de pedágio. Ao fim da concessão, o governo reassumirá a gestão da rodovia, alegando que o fluxo de veículos leves não justificaria uma nova concessão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos