Mercado fechará em 4 h 25 min
  • BOVESPA

    111.962,39
    +83,86 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,15
    -0,13 (-0,29%)
     
  • OURO

    1.844,20
    +14,00 (+0,76%)
     
  • BTC-USD

    19.382,66
    +433,40 (+2,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    381,05
    +6,64 (+1,77%)
     
  • S&P500

    3.671,20
    +2,19 (+0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.929,68
    +45,89 (+0,15%)
     
  • FTSE

    6.462,44
    -0,95 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.474,00
    +19,75 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2737
    -0,0461 (-0,73%)
     

Matemático prevê que os próximos 10 anos serão ainda piores

Marcus Couto
·3 minuto de leitura
Grupo nazista marcha nos Estados Unidos. (Foto: REUTERS/Go Nakamura)
Grupo nazista marcha nos Estados Unidos. (Foto: REUTERS/Go Nakamura)

Se o cenário social e econômico global em 2020 já parece desastroso, com uma pandemia que matou mais de 1,29 milhão acelerando em boa parte do mundo, aumento do desemprego e da fragilidade econômica da população, além de democracias e estados em risco, as notícias que o matemático russo Peter Turchin tem sobre o futuro próximo não são melhores.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Segundo modelos matemáticos de previsão de tendências sociais que ele criou, e que vêm funcionando na última década, os próximos dez anos podem ser ainda piores. Turchin falou sobre suas previsões em recente entrevista com o jornalista Graeme Wood, da revista americana The Atlantic.

Leia também:

Em 2010, ele já avisava que as coisas estariam ruins em 2020, com graves perturbações sociais e aumento drástico na violência. E mesmo autores que naquela época o diminuíam como um “profeta maluco” agora admitem que é hora de levar a sério o trabalho do russo, formado em biologia e com um histórico de pesquisar os ciclos de vida de besouros que infestam plantações nos Estados Unidos e na América Central.

Turchin deixou de lado os insetos para estudar os ciclos históricos da humanidade, e criou modelos matemáticos que analisam tendências nos nossos últimos 10 mil anos, e que o ajudam a projetar como os eventos atuais devem se desenrolar nas próximas décadas.

“É tarde demais”, diz o russo à The Atlantic. “Temos praticamente garantidos mais cinco anos infernais”, e possivelmente uma década ou mais.

Segundo Turchin, os “pilares” dessa crise são três: uma elite que se expande rápido demais, uma classe trabalhadora com qualidade de vida em declínio, e finalmente um governo incapaz de sustentar suas posições históricas de manutenção social.

Essa tríade “venenosa” interage entre si, acelerando a desintegração da estabilidade social, que leva em consequência ao aumento de conflitos e da violência.

Com as elites crescendo rápido demais, segundo o russo, faltam posições na sociedade para serem ocupadas por esses “novos poderosos”, o que gera um conflito no “topo” da pirâmide. Um exemplo é a ascensão de Donald Trump, que apesar de pertencer a uma elite dos Estados Unidos, filho de homem rico, formado em colégios caros, ainda se viu “excluído” do círculo de poder político americano, e criou um movimento de “contra-elite” que o posicionou junto a outros grupos “marginalizados” do núcleo de poder, com discurso populista que interage com outro “pilar” da desestabilização:

A deterioração do estilo de vida e do poder econômico das classes trabalhadoras, que se encontram pressionadas em uma economia orientada cada vez mais para a tecnologia e cargos especializados. Essa deterioração econômica leva ao terceiro elemento:

O governo se vê obrigado a atuar nesse cenário, primeiro auxiliando a população com estratégias de incentivo econômico e suporte financeiro, e depois de repressão, que tendem a esgotar os recursos do estado, até um ponto próximo da desintegração.

Para saber mais sobre as ideias de Turchin, seu livro “Guerra e Paz e Guerra”, de 2006, é um de seus mais acessíveis sobre o assunto.

Na visão do russo, uma solução para esse cenário seria o estabelecimento de governos capazes de criar políticas de longo prazo que não estivessem, matematicamente, destinadas ao desastre.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube