Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.474,52
    -125,78 (-0,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Mastodon volta a crescer após confirmação de compra do Twitter por Elon Musk

A rede social Mastodon voltou a apresentar crescimento após Elon Musk concretizar a compra do Twitter. Cerca de 70 mil novos usuários entraram para a plataforma no dia seguinte ao bilionário entrar com uma pia no prédio, em uma espécie de protesto contra a aquisição.

O Mastodon é construído sobre uma plataforma aberta e gratuita, sem controle por corporações ou magnatas. A comunidade é define os rumos do serviço, seja com a criação de novos recursos, seja com o aprimoramento dos já existentes.

Sem controle centralizado, a plataforma não fica refém de interesses de ninguém em específico. Segundo os fundadores, isso também torna a plataforma mais econômica, sem depender de funcionários e grande estrutura física para rodar, o que dispensa o uso de publicidade e a intensa preocupação com monetização/lucratividade que as mídias sociais têm.

Em termos visuais e funcionais, é muito parecido com o Twitter, já que replica a fórmula de sucesso de microblogging. É possível criar publicações com até 500 caracteres, aqui chamados "toots" em vez de "tuítes", além de imagens, fotos e vídeos.

Os servidores da plataforma são descentralizados, baseados em países ou em cidades, ou conforme interesses/comunidades desejadas. Não faz muita diferença em qual você será conectado, já que é possível interagir com pessoas de outras temáticas. O acesso ao servidor do Mastodon é como no Gmail: você terá um domínio (@Mastodon.Social) e pode enviar as mensagens (e-mails) para pessoas de outras instâncias.

Por que o Mastodon voltou a crescer?

O motivo do crescimento é o temor dos rumos que a plataforma do passarinho pode tomar sob o novo comando. Muitos estão felizes pelo discurso focado em uma total "liberdade de expressão", que permitiria inclusive espalhar desinformação e fake news, desde que não fosse nada criminoso.

Por outro lado, existe o medo de banimentos serem revertidos e de a plataforma ser tomada por supremacistas, racistas, antivax, anticiência e outros movimentos atualmente condenados pela plataforma. Em uma rede considerada tóxica por natureza, atrair grupos com opiniões tão radicais poderia agravar o atual cenário.

A rede social do mamute já havia apresentado uma explosão na entrada de usuários em abril deste ano. Na ocasião, o Mastodon registrou 41.287 usuários simultâneos conectados nas primeiras horas após as notícias confirmarem a venda do Twitter, número inédito até então.

Ainda assim, a rede ainda está bem abaixo do potencial. Usuários populares da rede social de Elon Musk não parecem interessados em abandonar seus seguidores para tentar uma vida nova no Mastodon. É difícil pensar que a rede social do passarinho, que já resistiu a imensas crises, não possa suportar uma queda momentânea de acessos.

Talvez, isso só ocorra se o dono da Tesla fizer alterações muito controversas no Twitter. Recentemente, o bilionário demitiu a alta cúpula do Twitter em uma só tacada e prometeu reverter banimentos eternos. Antes, ele havia dito que poderia dispensar até 70% dos funcionários da plataforma, mas depois retrocedeu. Há também rumores de que o Twitter poderia ser tornar um superapp ao estilo do WeChat, que reuniria também delivery, compras online, serviços gerais e pagamentos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: