Mercado abrirá em 3 h 31 min

Mastodon supera 1 milhão de usuários em meio a caos do Twitter

O Mastodon, rede social alternativa ao Twitter, registrou mais de um milhão de usuários ativos mensais pela primeira vez. O crescimento recorde foi anunciado pelo criador da plataforma, Eugen Rochko, em seu perfil oficial na rede. Segundo Rochko, quase metade dos novos usuários (cerca de 489 mil) vieram após o dia 27 de outubro, quando foi formalizada a compra do Twitter por Elon Musk.

Somente nos últimos 10 dias, 1.124 novos servidores foram adicionados à rede Mastodon. Isso deve abrir caminho para receber a enxurrada de pessoas que desejam ingressar na plataforma. Vale lembrar que os dados são referentes a quem acessou a plataforma pelo menos uma vez no mês, logo não significa que a rede está com um milhão de usuários conectados a todo momento.

O aumento de usuários no Mastodon era esperado, já que movimento similar ocorreu quando o bilionário apresentou sua proposta de aquisição da rede social do passarinho. Mas o crescimento agora foi mais expressivo, ao ponto de alcançar um marco fundamental para a popularização do serviço.

O fundador do Mastodon comemorou o crescimento expressivo (Imagem: Eugen Rochko/Mastodon)
O fundador do Mastodon comemorou o crescimento expressivo (Imagem: Eugen Rochko/Mastodon)

Por que o Mastodon voltou a crescer?

Essa guinada é motivada pelas recentes decisões do magnata, que decidiu mudar a política de moderação de conteúdo e pretende implementar alterações na política de verificação de contas. Musk é um defensor da "total liberdade de expressão", mesmo quando ela implica em discursos de ódio, desinformação, teorias da conspiração e fake news.

Outra medida que pode ser tomada pela plataforma é o retorno de figuras banidas em definitivo, como o ex-presidente Donald Trump, acusado de instigar seus seguidores a atacar o Capitólio após a derrota nas eleições. Há o temor de que líderes de movimentos antivacinas, supremacistas raciais, grupos antidemocráticos e anticiência possam ganhar mais palco no Twitter.

No fim da semana passada, a empresa de Musk demitiu milhares de funcionários por e-mail, do dia para a noite, o que impactou na prestação do serviço. Após a condução do caso, o bilionário disse ter havido um erro e pediu para que alguns dos dispensados retornassem ao cargo. Toda essa onda de notícias negativas fizeram com que os anunciantes corressem para longe da plataforma.

Por que escolheram o Mastodon?

A plataforma do mastodonte se destaca por ter uma interface e uma usabilidade muito semelhante ao Twitter. O Mastodon apresenta postagens de 500 caracteres, chamadas "toots", organizadas em um feed cronológico e com a possibilidade de marcação de usuários (menções), publicações fechadas e sistema de hashtags.

A diferença é o serviço ser totalmente descentralizado, com código aberto e sem uma única empresa por trás das operações. Isso permite a participação de toda a comunidade não somente na criação de novos recursos, mas também na segurança e moderação. Os custos de operação são baixos e absorvidos pelos donos de servidores, portanto não há busca pelo lucro, funcionários para pagar, nem mesmo publicidade.

A rede descentralizada se unifica sobre a mesma linguagem, em um sistema de federação que lembra a troca de e-mails. É possível interagir com outro usuário mesmo se ele estiver em outro servidor.

Por outro lado, o Mastodon ainda tem falhas sérias, como a falta de uma criptografia de ponta a ponta, o que permite aos proprietários dos servidores acessarem o conteúdo das mensagens diretas. Também ainda falta um sistema de simplificação de uso, já que o layout atual pode ser um tanto confuso para novatos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: