Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.591,71
    -86,51 (-0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

MasterChef Júnior: Após sete anos, Band retoma versão infantil da competição

Elenco do primeiro MasterChef Júnior, da Band (Foto: Reprodução/ Band)
Elenco do primeiro MasterChef Júnior, da Band (Foto: Reprodução/ Band)

A Band anunciou nesta segunda-feira (30) que vai retomar o MasterChef Júnior, versão infantil da competição culinária que é um dos carros-chefes da emissora. Voltada para participantes de 8 a 13 anos, a atração está com inscrições abertas no site do canal.

Para participar, os pais devem preencher uma ficha, além de enviar uma foto e um vídeo das crianças interessadas em integrar o elenco da atração. A estreia é prometida para este ano, com transmissão na TV aberta e na TV paga (pelo Discovery Home & Health), além de pela internet e pelas plataformas BandPlay e Discovery+.

A única vez que a versão infantil havia sido realizada no Brasil foi em 2015 —nos Estados Unidos, está em exibição a oitava temporada. Na época, a participante Valentina Schulz, então com 12 anos, foi alvo de uma série de comentários machistas e de cunho sexual nas redes sociais.

Ao lerem os comentários pedófilos dos internautas, diversas mulheres usaram as redes sociais para dizer que também haviam sido vítimas de assédio com pouca idade. A hashtag #primeiroassédio, que se tornou campanha, foi utilizada para centralizar os relatos.

Recentemente, Schulz relembrou o caso em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo. "Quando fui pela primeira vez na Delegacia da Mulher, levei todos os prints, nomes e endereços, tudo comprovado", afirmou. "Estava com meus pais e minha advogada. Ainda assim, ouvi que eles não iriam abrir o inquérito policial porque a polícia tinha coisa mais importante para fazer."

"Aquilo foi muito traumático para mim", lamentou. "Foi tanto que, aos 15 anos, eu fui estuprada e não denunciei. O motivo do meu silêncio foi o linchamento. Quem tem a coragem e denuncia como a Mari Ferrer, é humilhada publicamente."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos