Mercado fechará em 1 h 37 min

Marvel pode reavivar séries da Netflix em breve

Rafael Arbulu

Se você sente falta das séries da Marvel que eram veiculadas pela Netflix, uma boa notícia traz a possibilidade de seus retornos ainda em 2020: segundo o ScreenRant, as produções de Demolidor, Luke Cage e Punho de Ferro podem voltar às plataformas de streaming ainda em 2020, ao passo que Jessica Jones e Justiceiro retornariam em 2021.

A possibilidade foi levantada em consulta à campanha “Save Daredevil” (“Salve o Demolidor”, na tradução livre), que informou ao site que as cláusulas de contrato entre a Netflix e a Disney (dona da Marvel) regem que a editora de quadrinhos só poderia reutilizar materiais provenientes das produções conjunta entre as empresas dois anos após seus respectivos cancelamentos.

Em outras palavras: Luke Cage, Punho de Ferro e Demolidor, cujas séries foram canceladas, respectivamente, em outubro e novembro de 2018, poderiam retornar nos próximos quatro a seis meses, ainda em 2020. Jessica Jones e Justiceiro, respectivamente cancelados em fevereiro de 2019, teriam potencial de retorno no início de 2021, no mesmo mês.

Note que, a todo momento, estamos dizendo que “teria”, “retornaria”. Isso porque, embora as informações publicadas pelo ScreenRant sejam verídicas, a Marvel/Disney, até agora, não deu qualquer sinal de que pretende reutilizar as séries mencionadas (ou, menos ainda, a série que unia todos os protagonistas: Os Defensores) e, caso queiram fazê-lo, de que forma isso seria conduzido.

Houve um rumor, há alguns meses, de que o Demolidor da Netflix poderia aparecer no próximo filme do Homem-Aranha, mas o ator Charlie Cox, que viveu o Homem Sem Medo na série, derrubou a boataria, dizendo que nunca tinha recebido qualquer comunicação que apontasse para isso e, que se fosse acontecer, não seria com ele. A ideia partia do pressuposto de que há uma conexão entre as séries e os filmes: em um episódio no começo da primeira temporada de Jessica Jones, a personagem menciona os Vingadores em uma discussão sobre as consequências das ações do grupo dos cinemas em seu primeiro filme.

Vale lembrar que, na época, a Disney não contava com os recursos que têm hoje, já que atualmente a empresa faz frente à Netflix no mercado de streaming com a sua própria plataforma, o Disney+. Talvez a empresa decida trazer as séries de volta em seu próprio serviço, ou refazer o elenco e recomeçar tudo do zero, como um reboot?

Só o tempo — e a Disney — é quem poderão responder isso.

Fonte: Canaltech