Mercado abrirá em 1 h 54 min
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,51
    -1,46 (-2,03%)
     
  • OURO

    1.757,80
    +6,40 (+0,37%)
     
  • BTC-USD

    44.441,98
    -3.481,09 (-7,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.107,33
    -118,20 (-9,64%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.846,52
    -117,12 (-1,68%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.151,50
    -174,50 (-1,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1862
    -0,0132 (-0,21%)
     

Martine Grael e Kahena Kunze velejam até o ouro e são bicampeãs das Olimpíadas

·4 minuto de leitura
*ARQUIVO* Rio de Janeiro, Rj, BRASIL. 25/06/2021; Retrato das velejadoras Kahena Kunze  e  Martine Grael, a dupla é favorita a medalha em Tóquio.  ( Foto: Ricardo Borges/Folhapress)
*ARQUIVO* Rio de Janeiro, Rj, BRASIL. 25/06/2021; Retrato das velejadoras Kahena Kunze e Martine Grael, a dupla é favorita a medalha em Tóquio. ( Foto: Ricardo Borges/Folhapress)

ENOSHIMA, JAPÃO (FOLHAPRESS) - Cinco anos depois da Baía de Guanabara, agora foi a vez de a ilha de Enoshima, no Japão, ser o palco da medalha de ouro das velejadoras Martine Grael e Kahena Kunze.

A dupla brasileira conquistou o bi olímpico em Tóquio-2020, nesta terça-feira (3), na regata final da categoria 49er FX, após a prova ter sido adiada em um dia por questões meteorológicas.

As velejadoras terminaram a regata decisiva em terceiro, o suficiente para o título depois de 12 regatas na semana. Alemãs (prata) e holandesas (bronze) completaram o pódio.

No Rio, as brasileiras saíram carregadas no barco pela torcida. Agora, sem espectadores devido à pandemia da Covid-19, elas deixaram a água de Enoshima, uma pequena ilha cercada por mistérios, lendas e fé, sob gritos e aplausos da equipe brasileira da vela, incluindo Torben Grael, pai de Martine, cinco vezes medalhista olímpico na vela e chefe do time nos Jogos.

"Aqui (Enoshima), proporcionalmente, foi muito bom, todos os nossos amigos estavam ali", disse Martine logo após conquistar o segundo ouro. "Ter ali as pessoas que a gente admira tanto, que estão nessa batalha por ser atleta olímpico na vela... É muito difícil trilhar esse rumo", ressaltou.

O lugar mais alto do pódio nas Olimpíadas, em duas edições consecutivas, confirma o favoritismo pré-Jogos e reafirma o que hoje fica ainda mais evidente em águas japonesas: as brasileiras, parceiras desde 2013, tornaram-se um fenômeno da vela nos últimos anos.

A vitória em Enoshima é a 19ª medalha olímpica do Brasil nesse esporte, um dos mais vitoriosos do país no evento esportivo.

Com exceção das modalidades coletivas, antes do bicampeonato de Martine e Kahena apenas Adhemar Ferreira da Silva havia ganhado duas medalhas de ouro em edições consecutivas dos Jogos Olímpicos. A façanha dele no salto triplo foi alcançada em Helsinque-1952 e Melbourne-1956.

Desde então, nem mesmo Robert Scheidt e Torben Grael, cada um com cinco medalhas olímpicas na vela, duas delas de ouro, conseguiram subir ao principal lugar do pódio em sequência.

"É uma honra ter o nome ao lado dos que fizeram nome no esporte. Ainda não caiu a ficha, né", disse Kahena, após a conquista.

Martine Grael e Kahena Kunze, ambas com 30 anos, têm dado sequência a uma tradição não só brasileira no cenário mundial como também familiar.

Pai de Martine, Torben Grael é recordista de medalhas olímpicas (cinco no total) entre brasileiros —ao lado do também velejador Robert Scheidt, que terminou em oitavo na classe laser nos Jogos de Tóquio.

Segundo ele, Tóquio-2020 foi uma competição muito difícil para a dupla brasileira. "Elas tiveram alguns obstáculos que nunca tinham acontecido. Na primeira regata, estavam super bem, e a escuta do balão ficou presa entre a asa e o barco, e [elas] acabaram caindo pra 15º Esse segundo ouro foi um desafio grande", disse.

Para ele, a vitória da filha vale muito mais do que as medalhas que o próprio conseguiu na carreira. “Você, quando está competindo, está entretido. Não tem muito espaço para emoção. Não tem nada para fazer [de fora], só torcer. E é muito mais emocionante pra mim ver uma medalha dela do que ganhar uma medalha, porque ver meus filhos bem-sucedidos é muito bom", afirmou o brasileiro.

Nesta terça, na chamada regata da medalha, nas águas da ilha de Enoshima, as duas velejadoras foram ousadas na estratégia, ao abrir a largada numa direção diferente das demais, e conseguiram tirar a pequena vantagem obtida pelas holandesas Annemiek Bekkering e Annette Duetz ao fim das 12 regatas que precedem a decisiva.

As adversárias ficaram com o bronze. A prata foi para as alemãs Tina Lutz e Sussan Beucke.

Pelas regras olímpicas, os barcos disputam num circuito um número determinado de regatas antes da prova decisiva. No caso da categoria 49er FX, foram 12.

O vencedor de cada uma ganha um ponto, o segundo colocado leva dois, e assim segue pelas 21 duplas (no caso dessa categoria) da disputa.

Se um barco não termina uma regata ou é desclassificado, recebe pontuação equivalente ao total de competidores e um ponto adicional. Por exemplo: se 20 barcos estão na competição, quem é penalizado dessa maneira leva 21 pontos.

A pior pontuação nas regatas é descartada, e a chamada “medal race” conta em dobro. Ganha quem tem menos pontos no fim de tudo.

Martine e Kahena chegaram à prova final dependendo só delas. E conseguiram, mais uma vez.

Durante as regatas da semana, as brasileiras mostraram por que são um fenômeno. Por duas vezes terminaram em primeiro lugar, ainda conseguiram uma segunda colocação e chegaram em terceiro na regata final.

Há cinco anos, a vitória olímpica veio em casa, nos Jogos do Rio, na presença de familiares e amigos. Elas foram carregadas nas areias da Baía de Guanabara.

Nos Jogos de Tóquio-2020, Martine Grael e Kahena Kunze viveram outra realidade. Distância das pessoas do Brasil, isolamento na chegada ao Japão e falta de público devido à pandemia da Covid-19.

Em comum, no entanto, além do calor e beleza das duas praias, a medalha olímpica, reafirmando a dupla brasileira como uma das mais talentosas da vela.

Além das duas medalhas, elas acumulam o ouro no Mundial de 2014 e quatro pratas na mesma competição, em 2013, 2015, 2017 e 2019. Ainda colecionam um ouro (2019) e uma prata (2014) em Pan-Americanos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos