Mercado abrirá em 5 h 33 min
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,53 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,15 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,51
    +0,12 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.876,60
    +13,70 (+0,74%)
     
  • BTC-USD

    22.775,90
    -587,07 (-2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,01
    -13,85 (-2,58%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,89 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.178,09
    -482,38 (-2,23%)
     
  • NIKKEI

    27.693,65
    +184,19 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    12.570,50
    -53,50 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5382
    -0,0003 (-0,01%)
     

Marte parece ter "nuvem" de magma indo do manto à superfície

Uma equipe de cientistas da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, pode ter identificado a origem dos sinais de atividade vulcânica recente em Marte. Eles descobriram uma grande pluma de convecção no manto marciano sob Elysium Planitia, que pode levar magma à superfície e, assim, explicaria as várias evidências de vulcanismo por lá.

O Planeta Vermelho já sinalizou várias vezes que parece estar inativo geologicamente. Sua superfície é relativamente antiga e não aparenta sinais de processos vulcânicos e tectônicos que causaram alterações perceptíveis. Entretanto, observações recentes sugerem que talvez não seja o caso — a sonda InSight, por exemplo, descobriu atividade correspondente a um vulcanismo.

A sonda InSight monitora o interior de Marte desde 2018, e identificou atividade vulcânica significativa por lá (Imagem: Reprodução/NASA)
A sonda InSight monitora o interior de Marte desde 2018, e identificou atividade vulcânica significativa por lá (Imagem: Reprodução/NASA)

Para tentar descobrir o que pode estar acontecendo, Adrien Broquet e Jeffrey Andrews-Hanna coletaram dados topográficos, gravitacionais, geológicos e sísmicos, e procuraram algum modelo que correspondesse ao que foi observado. A análise mostrou que uma pluma no manto pode ser a “culpada”: ela seria formada por material aquecido, empurrado contra a fronteira que divide o manto e o núcleo. Com isso, o magma é forçado a ir para cima, formando áreas quentes na crosta e vulcanismo na superfície.

Para corresponder ao que foi observado pela InSight, a pluma teria que ter pelo menos 3.500 km de extensão, chegando à temperatura máxima de 285 ºC. Se existir, a pluma seria bastante parecida com aquelas encontradas na Terra, responsáveis por esculpir a superfície do nosso planeta no passado.

Os autores destacam que, embora Marte seja menor que a Terra, a formação de uma pluma igualmente grande é esperada devido à menor gravidade e maior viscosidade do manto marciano. “O centro da pluma que mais se encaixa, com base unicamente nos dados de gravidade e topografia, está localizado precisamente no centro de Cerberus Fossae, onde tanto o vulcanismo recente quanto a maioria dos ‘martemotos’ estão localizados”, disseram.

Isso sugere que, talvez, Marte seja o terceiro planeta do Sistema Solar com atividade de plumas no manto — os demais são a Terra e Vênus. “A atividade em andamento das plumas sugere que Marte não é apenas sísmica e vulcanicamente ativo hoje, mas que contém um interior geodinamicamente ativo também”, escreveram.

O artigo com o resultado do estudo foi publicado na revista Nature Astronomy.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: