Mercado abrirá em 2 h 11 min

Marte já conta com 7 toneladas de lixo terrestre

Poluição no solo de Marte alcançou a marca de 7 toneladas
Poluição no solo de Marte alcançou a marca de 7 toneladas
  • Poluição pode contaminar as amostras do solo do planeta vermelho;

  • Marte já foi alvo de 14 missões espaciais, afirmou a ONU;

  • Detritos incluem sondas antigas paradas ou perdidas e equipamentos usados em seus pousos.

Um cálculo do pesquisador Cagri Killic, da Universidade da Virgínia Ocidental nos Estados Unidos, mostrou que o planeta Marte já conta com 7 toneladas de lixo enviados por nós, "terráqueos". Mas como isso aconteceu? Como tanto lixo acabou parando no planeta vermelho?

Bem, é preciso esclarecer antes de tudo que não se trata da mesma poluição encontrada aqui na Terra. Todo lixo encontrado em Marte são detritos de missões de exploração de sua superfície. Na verdade, contabilizando ainda o peso das sondas operando no solo marciano neste momento, há um total de quase 10 toneladas de objetos feito pela humanidade no planeta.

O envio de naves e robôs ao planeta começou há mais de 50 anos. Desde então foram mais de 14 missões à Marte, segundo a ONU, que enviaram ao todo 18 objetos que hoje poluem o solo marciano.

Isto porque, além de veículos desativados, como é o caso do rover Opportunity, há também os equipamentos utilizados para seu pouso, como protetores térmicos, paraquedas e outros aparelhos. Geralmente descartados durante o pouso ou logo após, cada item desses acaba indo para em um local diferente, se quebrando em fragmentos menores e sendo levados pelo vento do planeta.

Além disso, há também os robôs enviados que acabaram nunca sendo utilizados pelos cientistas. Dentre os 18 objetos citados, dois são relativos a sondas que caíram durante o pouco e ficaram inoperáveis, outras quatro perderam a comunicação com a Terra durante ou logo após o pouso, ficando perdidas na superfície de Marte.

A poluição é tanta que a sonda Perseverance muitas vezes encontra detritos de seu próprio pouso durante suas expedições, nas quais já andou mais de 12 quilômetros. O problema desse lixo no planeta é o perigo de contaminação das amostras, que alteraria a conclusão dos cientistas, além da possibilidade de poder comprometer um futuro pouso de uma nova sonda.