Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.380,74
    -1.541,60 (-3,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Mars aproveita expansão da demanda por ração pet no Brasil

Fabiana Batista
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Brasil, terceiro maior mercado do mundo em produtos para animais de estimação, impulsiona os negócios da Mars depois que a gigante de chocolates dos EUA entrou no segmento de rações.

As vendas em nutrição da Mars Petcare no mercado brasileiro ultrapassaram o crescimento global da unidade no ano passado. As restrições de mobilidade estimularam a adoção de animais de estimação e aumentaram a demanda por ração premium, enquanto o auxílio do governo para familias de baixa renda favoreceu produtos mais baratos, disse José Carlos Rapacci, responsável pelo segmento de pet da Mars no Brasil.

Com o isolamento, os brasileiros buscaram a companhia de animais de estimação no ano passado: o número de cães e gatos aumentou 2% e 3,8%, respectivamente, segundo dados compilados pela Mars. O Brasil ainda tem grande potencial, pois menos da metade das necessidades calóricas de cães e gatos é suprida por alimentos industrializados, disse Rapacci.

“Nos países em desenvolvimento, esse percentual é próximo a 100% ou até superior com animais de estimação superalimentados”, disse em entrevista.

No mercado global de animais de estimação, que movimenta US$ 130 bilhões, o Brasil ocupa o terceiro lugar, depois dos EUA e da China, com vendas de US$ 7,3 bilhões no ano passado, um aumento de 14% em relação a 2019, de acordo com o Instituto Pet Brasil. A rede de produtos para animais de estimação Petz abriu capital em um dos maiores IPOs do país em 2020.

Embora os lockdowns não tenham ajudado a demanda por chocolate na mesma medida, as vendas do setor como um todo devem ter subido cerca de 2% no ano, disse Harvey Millar, que comanda a Mars Wrigley no Brasil.

Sem detalhar números, ele disse que a Mars Wrigley cresceu acima da média nacional, mesmo considerando o impacto da pandemia logo após a conclusão de um investimento para a produção do chocolate Snickers em São Paulo. A empresa está otimista depois de adaptar os canais de vendas para atender consumidores em casa, disse Millar.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.