Mercado abrirá em 31 mins
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,57
    +0,42 (+0,62%)
     
  • OURO

    1.813,80
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    37.962,19
    -462,75 (-1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    942,24
    +15,47 (+1,67%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.116,86
    -7,00 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.103,50
    +30,00 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1057
    -0,0126 (-0,21%)
     

Marrocos iniciará procedimentos judiciais por caso de espionagem da Pegasus

·1 minuto de leitura
Uma mulher mostra seu telefone em frente à sede da empresa israelense que desenvolve um programa de espionagem, em 28 de agosto de 2016 em Herzliya, Israel

O governo marroquino ameaçou, nesta quarta-feira (21), denunciar judicialmente qualquer um que o acusar de usar o programa Pegasus - usado em grande escala para espionar jornalistas, militantes e personalidades políticas - e denunciou uma "campanha midiática mentirosa, massiva e maliciosa".

Rejeitando mais uma vez "categoricamente as acusações mentirosas e infundadas", o governo marroquino disse "optar por ações judiciais, no Marrocos e a nível internacional, contra qualquer um que levantar essas acusações falaciosas", segundo um comunicado.

Na segunda-feira, o governo marroquino já havia denunciado como "mentirosas" as informações segundo as quais os serviços do reino "se infiltraram nos telefones de várias personalidades públicas nacionais e estrangeiras e de responsáveis de organizações internacionais por meio de um programa de computador".

O jornal Le Monde, membro do consórcio de veículos, revelou na terça-feira que o presidente francês, Emmanuel Macron, estava na lista de potenciais alvos do programa Pegasus. As revelações acusam "um serviço de segurança do Estado marroquino".

A investigação publicada no domingo por um consórcio de 17 veículos internacionais se baseia em uma lista obtida pela rede com sede na França Forbidden Stories e pela Anistia Internacional e que inclui 50.000 números de telefone selecionados desde 2016 para uma vigilância potencial pelos clientes da empresa israelense NSO, que comercializa a Pegasus.

A lista inclui os números de pelo menos 180 jornalistas, 600 homens e mulheres políticos, 85 militantes de direitos humanos e 65 chefes de empresas, muitos no Marrocos, Arábia Saudita e México.

Segundo a célula de investigação da Radio France, sócia do consórcio que revelou o escândalo, o rei do Marrocos Mohammed VI e seu entorno "estão na lista de potenciais alvos" do programa Pegasus.

isb/feb/bfi/eg/mb/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos