Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.252,11
    +80,33 (+0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Mario Strikers: Battle League | 5 fatos incríveis sobre o jogo

Mario Strikers: Battle League é a sequência de Super Mario Strikers, lançado pela Nintendo em 2005 para Game Cube. A série derivada da franquia Super Mario coloca o encanador mais famoso do mundo em outra jornada esportiva. Dessa vez, em um esporte muito semelhante ao futebol, mas que ganha dimensões caóticas com ataques especiais e passes com a mão.

Mario, Peach, Toad e outros personagens do Reino Cogumelo competem em partidas de Strike, que unem combate e habilidade estratégica para marcar um gol. Mario Strikers: Battle League está disponível para Nintendo Switch e conta com localização completa para o português do Brasil. O Canaltech recebeu uma cópia do jogo, cedida gentilmente pela Nintendo, e destaca cinco pontos incríveis do título a seguir.

5. Não é um jogo de futebol

Não se engane, Mario Strikers: Battle League não é um simulador de futebol com os personagens da franquia do encanador. Diferente de títulos que miram no realismo, como FIFA da Electronic Arts, o lançamento esportivo da Nintendo apresenta outro tipo de prática esportiva: o Strike.

Não durma em campo: Strike não é exatamente futebol. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)
Não durma em campo: Strike não é exatamente futebol. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)

O esporte coloca em campo dois times de cinco personagens cada, com menos burocracias que o futebol e sem nenhuma regra. O jogador controla até quatro atletas no campo, com exceção do goleiro. Não existem impedimentos, escanteios e cartões vermelhos. Dentro de Battle League, vale absolutamente tudo. É possível chutar o adversário, atirar uma bomba e até dar uma manchete de vôlei com a bola. Além dos passes rasteiros e chutes, uma possibilidade é driblar jogando a bola por cima, com as mãos.

Os jogadores de FIFA podem testar novas abordagens para balançar as redes, enquanto quem não gosta muito dos simuladores, pode aproveitar o clima caótico das partidas.

Dinâmica do caos toma conta do campo sem regras do jogo. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)
Dinâmica do caos toma conta do campo sem regras do jogo. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)

4. Combate à moda soulslike

Não! Você não leu errado. Se você treinou bastante o tempo certo para aparar um golpe em Demon's Souls ou o melhor momento para usar a esquiva em Elden Ring, sinta-se preparado para jogar o lançamento da Nintendo.

Mario Strikers: Battle League não somente tem um sistema de combate, como também emprega mecânicas que fazem sucesso em títulos do gênero soulslike. Para passar, aplicar um carrinho, usar um ataque especial ou chutar uma bola com força, o jogador precisa acertar o tempo correto do movimento, soltando ou disparando o comando no momento exato.

Equipamentos dão toque de RPG ao jogo. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)
Equipamentos dão toque de RPG ao jogo. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)

Ainda existe um botão dedicado para a esquiva, para fugir de carrinhos e ofensivas adversárias. As ações do jogo ajudam a transformar o campo de Battle League em um campo de batalha mais combativo do que esportivo. O que só reforça o caráter inventivo e divertido de toda a experiência.

Para os fãs dos desafios dos jogos da FromSoftware, o modo de jogo Galáctico é uma dose bem caprichada de dificuldade em partidas contra a inteligência artificial. Além de tudo isso, equipamentos, como chuteiras e capacetes, podem ser equipados aos jogadores, mexendo nos atributos e aplicando uma dose de RPG à mistura.

3. Um pouco de Mario Kart

Use golpes e itens especiais durante as partidas. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)
Use golpes e itens especiais durante as partidas. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)

Gosta de Mario Kart 8 Deluxe e aquela sensação de ganhar uma corrida após ultrapassar um amigo atingido por um casco de tartaruga no último segundo? Mario Strikers: Battle League devolve toda a felicidade (ou raiva) de fazer um competidor escorregar em um casco de banana ou ficar atordoado por um golpe super especial.

Como os power ups de Mario Kart, blocos são encontrados no campo de Battle League com itens especiais, que podem atrapalhar outros jogadores, abrindo a chance para um gol. Se você jogou Mario Kart 8 Deluxe, vai reconhecer a maioria dos itens, como o cogumelo de aceleração, a bomba e os tradicionais casco de tartaruga e casca de banana.

Clássicos itens estão de volta. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)
Clássicos itens estão de volta. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)

E, assim como em Super Smash Bros., orbes aparecem em campo para destravar golpes especiais dos personagens. Cada atleta tem seu próprio Final Smash, chamado no jogo de superchutaço.

2. Elenco com personalidade

Elenco tem personalidade e reações próprias nas partidas. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)
Elenco tem personalidade e reações próprias nas partidas. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)

Mario Strikers: Battle League não só apresenta personagens clássicos da série Super Mario, como a Peach, Toad e Yoshi, como faz questão de desenvolver características de gameplay para cada uma das opções do elenco.

Controlando o Bowser em uma partida, o jogador vai sentir um personagem com movimentos mais pesados, lento e com golpes mais fortes. Já Rosalina, a estrela de Super Mario Galaxy, flutua pelo campo com passes mais suaves.

Yoshi chora ao levar gol. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)
Yoshi chora ao levar gol. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)

As cenas de animação entre lances de campo ajudam também a distinguir a jogabilidade e personalidade deles. Cada jogador de Strike conta com animações especiais, além de cenas de comemoração por um gol ou raiva por uma derrota.

1. Divertido sozinho, em time ou em bando

Jogue Battle League entre até oito pessoas. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)
Jogue Battle League entre até oito pessoas. (Imagem: Captura de tela/Canaltech/Lucas Arraz)

Não vale tudo apenas dentro do campo do Battle League, mas também na hora de dividir os controles. O game conta com um modo online e outro local, permitindo partidas contra adversários do mundo inteiro, contra amigos presencialmente ou ainda disputando uma das copas contra a inteligência artificial.

Até oito pessoas podem jogar bola com um console Nintendo Switch localmente. Nos modos online e local, é possível adicionar um segundo jogador ao mesmo console, ou conectar com até três outros consoles para ter oito participantes no total. Vale lembrar que, para jogar online, é necessário ter uma assinatura ativa do Nintendo Switch Online.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos