Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,61 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,44 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,80
    -0,23 (-0,57%)
     
  • OURO

    1.923,30
    -6,20 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    12.878,66
    +1.821,65 (+16,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    257,78
    +12,89 (+5,26%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,97 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.487,22
    -152,24 (-0,64%)
     
  • NASDAQ

    11.625,50
    -65,75 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6510
    +0,0010 (+0,02%)
     

Marcopolo vai fechar fábrica no RJ a partir do final de outubro

·1 minuto de leitura
.
.

SÃO PAULO (Reuters) - A Marcopolo decidiu fechar sua fábrica de ônibus no Rio de Janeiro, no que chamou de uma revisão de ativos para reduzir custos e ganhar eficiência, segundo comunicado enviado ao mercado nesta sexta-feira.

A companhia, uma das maiores fabricantes de carrocerias de ônibus do mundo, afirmou que a fábrica em Duque de Caxias (RJ) será fechada a partir de 30 de outubro. A empresa não informou número de trabalhadores na unidade, que é a única da companhia no Estado.

A fábrica de Duque de Caxias tem origens em 1955 e produz três modelos de ônibus, dois coletivos e um de tipo BRT.

"As melhorias operacionais alcançadas nos últimos anos permitirão que as plantas remanescentes tenham capacidade suficiente para absorverem a recuperação de volumes à medida que os mercados se regularizarem, em um cenário pós-pandemia", afirmou a empresa no comunicado.

Além da fábrica no Rio de Janeiro a Marcopolo tem duas unidades produtivas no Rio Grande do Sul e uma no Espírito Santo.

A pandemia impactou o setor de transportes de passageiros, fazendo a Marcopolo reduzir pela metade sua capacidade de produção entre o final de março e meados de junho. A decisão da Marcopolo também ocorreu em um ano de eleições municipais, tradicionalmente marcado por aumento nas encomendas de transporte coletivo por prefeituras.

No acumulado do ano até o final de agosto, as vendas de ônibus novos no Brasil mostram queda de 34%, a 11,5 mil unidades, segundo dados da associação de concessionários de veículos, Fenabrave.

(Por Alberto Alerigi Jr.)