Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.149,59
    +381,53 (+2,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Marco legal das startups vai facilitar a vida das empresas, diz ministro de Ciência e Tecnologia

FERNANDA BRIGATTI
·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 19.10.2020 - O ministro Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 19.10.2020 - O ministro Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Marco Legal das Startups será muito importante para facilitar a vida dessas empresas baseadas em tecnologia e inovação, disse nesta segunda-feira (26) o ministro Marcos Pontes, de Ciência, Tecnologia e Inovações.

O projeto de lei complementar para a criação de um marco para o setor foi enviado ao Congresso na semana passada e deixou de fora questões trabalhistas e tributárias.

O processo de elaboração do texto levou mais de três anos para ser concluído e, segundo o titular da pasta, teve início no Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações.

Pontes participou da abertura da edição digital do Futurecom, evento de tecnologia, telecomunicações e transformação digital.

Ao apresentar as ações do ministério, Pontes disse ter fomentado e criado uma rede suporte para o desenvolvimentos de novos produtos, novos serviços e novas empresas de base tecnológica.

"Suponha que uma startup que está começando e tem um desenvolvimento até um certo ritmo de um protótipo, mas não tem recursos financeiro ou recursos científicos para continuar o desenvolvimento desses produtos e deixar pronto para o mercado. Temos essa disponibilidade como uma rede de suporte", afirmou.

O ministro disse também que vem discutindo com a pasta da Economia uma estratégia tributária para a utilização de sensores que permitirão o avanço da internet das coisas no país. Segundo ele, sempre que se acionasse essa estrutura haveria cobrança de impostos, o que inviabilizaria essa tecnologia.

A discussão com o Ministério da Economia é zerar a tributação dos sensores. "[Para] diferenciá-los dos impostos que são cobrados dos dispositivos que trabalham com interferência humana, como calculadoras, celulares, máquinas de cartão de crédito, que é outro departamento, vamos dizer assim."

Ainda sobre os sensores, Pontes disse ter discutido, em setembro, um acordo para o desenvolvimento de sensores, baterias de grafeno, inteligência artificial e equipamentos que trabalham em áreas remotas, especialmente telemedicina.

Essa discussão teria ocorrido durante viagem a Houston, nos Estados Unidos. Segundo sua agenda oficial, ele visitou projetos de tecnologia nas universidades Rice, Tezas A&M e Houston.

Como a Folha mostrou no domingo (25), Pontes usou o compromisso oficial para passar férias nos Estados Unidos.

Na abertura do Futurecom nesta segunda, ele disse que a visita às universidades vinha sendo adiada, mas que aproveitou o deslocamento que teria de fazer até Viena, na Áustria, onde participaria de uma conferência, para passar pelos Estados Unidos.

"Então aproveitei que passei em Houston e depois fui uns diazinhos de férias e depois prossegui para Viena."