Mercado fechado

Marcelo Odebrecht é demitido do grupo por ordem de seu pai, diz colunista

Valor

Apesar de estar afastado desde a prisão, em 2015, executivo ainda continuava na folha de pagamentos da companhia com um salário de R$ 115 mil ao mês O empresário Marcelo Odebrecht, herdeiro do conglomerado empresarial baiano Odebrecht, acabou de ser demitido do cargo de funcionário que ocupava na companhia, informou o colunista Lauro Jardim, do jornal “O Globo”.

Segundo a nota, a demissão ocorreu por ordem de Emilio Odebrecht, atual mandatário da Kieppe Participações, holding da família que controla a Odebrecht S.A. Marcelo é ex-presidente da empresa, cargo que ocupou até ser preso em junho de 2015.

A nota informa que, apesar de afastado de qualquer função executiva desde então, Marcelo continuava na folha de pagamentos da empresa. Ganhava R$ 115 mil por mês.

Segundo informa o colunista, nos últimos meses, desde que foi solto, após sua delação premiada, colocou como sua missão principal destruir aqueles a quem considera os responsáveis pela derrocada da empresa: seu pai, seu cunhado, Maurício Ferro, e alguns atuais e ex-executivos.

Desde segunda-feira, a guerra interna subiu de patamar com acusações mútuas pela imprensa. Na segunda-feira, Emílio trocou Luciano Guidolin na presidência por Ruy Sampaio, um dos executivos em quem mais confia.

Nesta sexta-feira, o Valor publicou entrevista com Sampaio, na qual rebateu as acusações ao grupo que vêm sendo feitas por Marcelo. Na reportagem, foi informado que o contrato do ex-presidente do grupo deveria ser encerrado ao final deste ano.

Segundo Jardim, além do salário, Marcelo perderá o motorista que o serve, assim como perderá o direito a ter um advogado interno da empresa.