Mercado fechado

Em debate no RJ, Crivella ressuscita fake news do "kit gay" utilizada por Bolsonaro em 2018

·3 minutos de leitura
Foto: Fabio Teixeira/NurPhoto via Getty Images
Foto: Fabio Teixeira/NurPhoto via Getty Images

Os dois principais adversários na corrida pela Prefeitura do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos) e Eduardo Paes (DEM), evitaram o confronto direto e não ficaram frente a frente em nenhum momento do primeiro debate eleitoral de 2020, na noite desta quinta-feira (1°), transmitido pela TV Bandeirante.

Ainda assim, aproveitaram o debate com outros candidatos para tecer críticas mútuas. Enquanto o prefeito Marcelo Crivella insistiu na herança negativa que teria recebido de Paes, seu antecessor no cargo, o candidato do DEM criticou a capacidade de gestão do bispo.

Leia também:

Os demais nove candidatos presentes também concentram os ataques em Paes e Crivella, os mais cotados para chegar ao segundo turno.

Em suas falas ao longo do debate, Crivella defendeu sua administração, especialmente no que diz respeito ao combate da pandemia do novo coronavírus.

Uma das estratégias de campanha do prefeito é enaltecer sua atuação durante a crise --aliados acreditam que Crivella teve um bom desempenho, ganhou visibilidade e aumentou sua popularidade com o eleitor. "O Rio fez, em 25 dias, um hospital de campanha. Quem fez isso?", disse.

O prefeito também afirmou que Paes entregou a cidade quebrada financeiramente, cheia de dívidas acumuladas após o ciclo de grandes eventos.

Apesar da proximidade construída com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), um dos trunfos da campanha, Crivella não fez esforços diretos para colar sua imagem à do presidente.

O prefeito, no entanto, fez acenos a temas caros ao eleitor conservador e bolsonarista. Em dado momento, perguntou a Renata Souza, candidata do PSOL, qual o posicionamento dela sobre a ideologia de gênero e o combate às drogas.

Renata rechaçou o tema, respondendo que os cariocas morrem na porta dos hospitais, e que não fazia sentido falar sobre ideologia de gênero nesta situação. Crivella, então, ressuscitou a acusação falsa de que partidos de esquerda quiseram introduzir o "kit gay" nas escolas --tema utilizado por Bolsonaro na campanha em 2018.

Crivella também acenou ao eleitorado evangélico, com referências como "parece que cheguei ao céu" e "multiplicamos o pão e o peixe".

Em uma resposta sobre a situação financeira do município, Paes buscou deixar claro que, caso eleito, manterá o diálogo com Bolsonaro. "Eu vou me dar bem com o governo federal, com o governo estadual", disse.

O ex-prefeito usou o espaço para atacar a administração de Crivella, criticando a situação da saúde, do BRT e o desemprego. Buscou, ainda, manter a imagem de um bom gestor, que conhece os problemas da cidade.

"A gente sabe que não era tudo perfeito, mas na nossa gestão as coisas eram muito melhores, porque a gente conhece os problemas e sabe como administrar", afirmou.

O principal embate da noite ocorreu entre Paes e a delegada Martha Rocha (PDT), deputada estadual, também bem cotada para uma vaga no segundo turno.

Martha afirmou que o ex-prefeito deixou um rombo de R$ 320 bilhões em 2016, e o criticou por não ter aproveitado melhor os investimentos recebidos com a Copa do Mundo e as Olimpíadas.

"O senhor endividou a prefeitura, não concluiu obras. Era seu dever deixar essa cidade como referência na educação e saúde pública", disse.

Paes respondeu que a deputada não havia estudado corretamente as contas da prefeitura, e insinuou que a candidata poderia não "entender direito" o que ele estava dizendo.

Martha rebateu: "Esse seu jeito debochado e desrespeitoso, malandro de ser, o carioca não aguenta mais não".

A deputada utilizou, ainda, duas frases prontas contra Paes ao longo da discussão: "Seu filme não vale a pena ver de novo" e "Existe vida além de Eduardo Paes".

O ex-prefeito lembrou que os R$ 320 bilhões de rombo alegados pela candidata representam dez vezes a receita anual da prefeitura. "Isso não é zombar, não quis ofendê-la, mas é importante conhecer os números."

*** Por Ana Luiza Albuquerque, da Folhapress