Mercado fechado

Convencido por Joice, Marcelinho Carioca será candidato a vereador pelo PSL

·2 minuto de leitura
Encontro entre Marcelinho Carioca e Jair Bolsonaro repercutiu nas redes sociais - Foto: Reprodução/Facebook
Encontro entre Marcelinho Carioca e Jair Bolsonaro repercutiu nas redes sociais - Foto: Reprodução/Facebook

O encontro entre Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-jogador Marcelinho Carioca, em Brasília, tem sido um dos assuntos mais comentados da internet nas últimas horas. O episódio deve marcar a volta do ídolo corintiano ao campo da política, já que ele deixará a rádio onde trabalha (também é jornalista) para ser candidato a vereador de São Paulo, pelo PSL, nas eleições municipais de 2020.

O convite ao corintiano teria partido da deputada Joice Hasselman (PSL-SP). Ela, que era uma das grandes apoiadoras de Bolsonaro e agora está na lista de adversárias políticas, recebeu o craque em sua casa no início do ano. De acordo com o UOL, o ex-jogador teria dito que não estava com vontade de iniciar outra empreitada na política, mas foi convencido pela parlamentar.

Leia também

Marcelinho já foi filiado ao PSD, Podemos, PRB e até ao PT, partido visto como inimigo número um do espectro da direita no país.

"O PSL tem muita afinidade com ele, e ele com o partido", afirmou Junior Bozella, vice-presidente da sigla ao UOL.

Bolsonaro se elegeu em 2018 pelo PSL, mas rompeu com partido em 2019. A sigla que elegeu diversos parlamentar ao redor do país em 2018 é protagonista de um escândalo envolvendo um suposto esquema de candidaturas laranjas para o pleito.

As eleições municipais, que foram adiadas por causa da pandemia do novo coronavírus, estão programadas para acontecer em novembro.

Encontro com Bolsonaro repercutiu

Logo que foram publicas as imagens do encontro entre Marcelinho e o presidente, o episódio ficou entre os mais comentados do Twitter. Grande parte da torcida corinthiana se revoltou com o fato de ver Bolsonaro, que é palmeirense, vestindo a camisa alvinegra.

Em nota, o Corinthians informou que não teve relação com o encontro.

"Ele é ex-jogador e torcedor do clube. Não é contratado. Faz, como torcedor, o que quiser com as camisas", disse o presidente Andrés Sanchez ao jornal Folha de São Paulo.