Mercado fechado

Marcas de grife têm "vergonha" de clientes mais pobres

 

As marcas de grife têm "vergonha" de seus consumidores mais pobres. Pelo menos essa é a impressão deixada após consulta de diversas delas ao Instituto Data Popular, especializado neste segmento, para desvincilhar suas respectivas imagens a dos frequentadores dos rolezinhos.

Leia também:
Bolsa inteligente impede usuário de gastar em excesso
Estudo indica que usuários sofrem preconceito em site de aluguel de imóveis

"Algumas empresas me procuraram dizendo 'minha marca está virando letra de música, febre na periferia e não quero estar associado a esse pessoal'. Boa parte das marcas tem vergonha de seus clientes mais pobres. São marcas que historicamente foram posicionadas para a elite e o consumidor que compra exclusividade pode não estar muito feliz com essa democratização do consumo", afirmou Renato Meirelles, diretor do Data Popular, ao portal UOL.

Por outro lado, a Data Popular também foi consultada para ajudar marcas que se interessam na ascensão da classe C, vendo o fato como oportunidade de negócio. De acordo com levantamento da empresa, a renda total dos jovens pertencentes à classe C é de R$ 129,2 bilhões, contra R$ 99,9 bilhões das classes A, B e D somadas.