Mercado abrirá em 4 h 56 min
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,15
    +0,86 (+1,22%)
     
  • OURO

    1.760,70
    -3,10 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    43.249,54
    -1.556,56 (-3,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.085,47
    -48,92 (-4,31%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.965,17
    +61,26 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    24.264,60
    +165,46 (+0,69%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.141,00
    +131,50 (+0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2897
    +0,0450 (+0,72%)
     

Maratona aquática: Medalha de ouro olímpica de Ana Marcela é a única conquista que faltava em seu currículo

·2 minuto de leitura

A baiana Ana Marcela Cunha, de 29 anos, conquistou a medalha de ouro na maratona aquática da Olimpíada de Tóquio na noite desta terça-feira (03).

Eleita seis vezes a melhor atleta do mundo em maratonas aquáticas, Ana Marcela também é tetracampeã mundial em provas de 25km (2011, 2015, 2017 e 2019) e campeã pan-americana em Lima (2019) na prova de 10km. A nadadora ainda participou da estreia da modalidade na Olimpíada de Pequim.

O sonho de uma medalha olímpica poderia ter se tornado realidade na Rio-2016, mas ela terminou a competição como décima colocada, após ter derrubado o seu suplemento na água. Por se tratar de uma prova de resistência, para suportar o trajeto, os nadadores precisam repor o estoque de energia.

Exigente consigo mesma, não aceitava apenas ser boa. Queria ser perfeita e superar a frustração da última edição nesta, que acredita que ser a sua última chance olímpica. Por isso, trabalhou incansavelmente com o técnico Fernando Possenti na preparação para Tóquio.

Apesar da dificuldade pela temperatura da água, beirando os 30 graus, Ana Marcela aprimorou as estratégias para driblar os obstáculos. Para manter-se à frente do pelotão, por exemplo, optou por se hidratar em voltas intervaladas.

Nos primeiros meses de pandemia, nadou em casa usando um equipamento ergonômico para simular a movimentação e o esforço na piscina. Depois, retornou a rotina com dez sessões de treino semanais; quatro de preparação física; duas de fisioterapia. Além disso, ainda teve que fazer testes diários de covid-19.

Na reta final, se instalou em Sierra Nevada, que fica a 2.320 metros acima do mar, onde há um dos centros de treinamentos mais concorridos do mundo pelos ganhos fisiológicos que proporciona aos atletas: níveis de hemoglobina, condicionamento e fisiologia. Tudo foi perfeitamente calculado, com bastante antecedência — a reserva foi feita no início de 2019.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos