Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,30 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.872,00
    +31,80 (+1,73%)
     
  • BTC-USD

    35.048,59
    +648,62 (+1,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    694,68
    -5,93 (-0,85%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,20 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.290,50
    +305,00 (+2,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4075
    -0,0911 (-1,40%)
     

Dom Diego da pelota que não se mancha

Mauro Beting
·2 minuto de leitura
A Bombonera iluminada por Diego - INSTAGRAM

Não é Quixote e nem quixotesco. É Maradona.

10 da noite na Argentina. Palmas, buzinas, panelas batidas por Diego. El Diez que deixou o mundo prostrado como se fosse em 1986. Maradona que uniu Boca e River num aplauso em tempos de canchas vazias. Em um abraço de arquibancadas rivais.

Como o Internacional que pintou as cores argentinas - e também as dos rivais figadais - no Beira-Rio no dia do jogo que seria contra o Boca do coração que parou (se é que esse coração tão humano de tão falho realmente não bate mais).

El Pibe não teve só a perna esquerda mais mágica para jogar bola (para jogar futebol eu sou mais Messi). Maradona foi quem mais bateu o coração pela gente. Como se fosse o que ele realmente foi mais do que todos – gente como a gente. Ele é o gênio genioso que mais jogou e mais foi julgado. Jamais subjugado. Até pelo peito de pomba que não se curvava e adorava jogar bombas contra os donos das bolas e botões. Com ou sem razão.

Dom Diego da pelota que não se mancha. Tão humano de tão errado que a gente ama se identificar com quem é todo torto e todo gauche como descreveria Drummond. Como melhor escreveu de Diego o uruguaio Eduardo Galeano.

Maradona é esse facho de luz que é toda a hinchada além da “metade mais um” da Argentina (como é conhecida a gente xeneize do Boca Juniors). Diego é esse pibe do barrio que conquistou o mundo para a Argentina tungando a Inglaterra das Malvinas. Justiçando a ditadura militar que acabou em 1983 e matou e sumiu com mais de 30 mil hermanos de Diego.

Diego é isso. Diego somos nós que viramos D10S. O mais humano deles. Um Batman da Villa Fiorito.

Entre todos os craques e gênios não só do futebol, Diego Armando foi o mais torcedor de todos eles. O que mais vibrava com a galera. Ele não jogou pra torcida. Ele era o torcedor em campo. E fazendo coisas que nem em sonho de fã.

Por isso a imagem que mais me impacta é a da Bombonera apagada só com a luz do camarote dele no estádio bostero. Ele está ali iluminando a Boca. E todas as nossas almas que o viram fazendo coisas de quem viu, viu. Quem viveu, não viverá. Quem sobreviveu, pode bater no peito.

Diego não jogou pra galera. Ele era a hinchada.

Ou melhor: a diegada é ele.