Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.199,22
    -106,03 (-0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Mapeamento vai mostrar dados sobre educação da população trans masculina

*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 03.06.2018 - Bandeira símbolo dos direitos LGBTQIA+. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 03.06.2018 - Bandeira símbolo dos direitos LGBTQIA+. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

CÓRDOBA, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - Para tentar resolver a falta de dados sobre a educação de homens trans no Brasil, uma iniciativa lançada ano passado tentou mapear a situação desse grupo da população em todo o país. E o plano agora é ampliar essa ação ainda em 2022.

Chamado "A Dor e a Delícia das Transmasculinidades no Brasil", o levantamento foi feito pelo Instituto Brasileiro de Transmasculinidades (IBRAT) e pelo Instituto Internacional Sobre Raça, Igualdade e Direitos. De acordo com o documento, 12,7% dos 1.217 homens trans entrevistados disseram ter o ensino superior completo, e 23,5%, o ensino médio completo.

Para comparação, entre mulheres trans e travestis, apenas 0,02% estão na universidade, 72% não possuem o ensino médio, e 56%, o ensino fundamental, segundo o projeto Além do Arco-íris/Afro Reggae.

O Ibrat prepara um aprofundamento dos dados para este ano. O instituto está criando um mapeamento mais amplo, através de um questionário que pode ser respondido por todos os brasileiros transmasculinos em seu site.

"A gente sente a necessidade de investigar por que essas pessoas interrompem os estudos. E, se continuam, o que acontece?", detalha Dan Kaio Lemos, coordenador nacional do IBRAT.

"Percebemos que, diferente das mulheres trans e travestis, as quais muitas vezes nem chegam à graduação, entre os homens trans que chegam ao nível superior, existe o fenômeno do assujeitamento, que é quando eles se sujeitam a usar nomes com os quais não se identificam ou usam o banheiro feminino, para conseguir terminar os estudos, por exemplo", afirma.

"Entendemos também que o próprio cenário da educação é produtor de violência, tanto física quanto psicológica, quando não permite que a pessoa se insira nos espaços", completa ele.