Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,06 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.777,30
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    55.782,66
    -5.225,50 (-8,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,61 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,67 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    -5,50 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6842
    -0,0369 (-0,55%)
     

"Mapa da Vida" indica áreas do planeta que podem abrigar espécies desconhecidas

Wyllian Torres
·3 minuto de leitura

Estima- se que hoje existam cerca de 1,5 milhão de espécies conhecidas em todo o planeta, mas esse número não chega a 20% do total de formas de vida que podem habitar a Terra. Em recente estudo publicado no periódico científico Nature Ecology & Evolution, cientistas propõem um mapa que aponta os lugares com maior potencial de abrigar espécies desconhecidas de vertebrados terrestres — como mamíferos, pássaros, répteis e anfíbios.

O modelo, elaborado por ecologistas, é uma estimativa baseada em dados como fatores biológicos, ambientais e sociológicos relacionados aos mais de 32 mil vertebrados conhecidos. O estudo prevê que cerca de 60% das espécies que serão descobertas tem grandes chances de ocorrerem em florestas tropicais como a Amazônia e Mata Atlântica. A importância de um mapa como este é inquestionável, sobretudo quando o número de espécies ameaçadas de extinção não para de crescer — é uma tentativa de documentar, classificar e, quem sabe, salvar essas vidas antes que sejam extintas.

Na tentativa de entender a deficiência de biodiversidade, os ecologistas Mario Moura e Walter Jetz, da Universidade de Yale, nos EUA, criaram um mapa interativo que demonstra os números da ocorrência de novas espécies ao longo das últimas décadas e traça uma estimativa do que se espera para o futuro. Moura, que é coautor do artigo e professor da Universidade Federal da Paraíba, explica que estimativas conservadoras indicam que apenas cerca de 13% a 18% de todas as espécies vivas podem ser conhecidas no momento; em algumas análises, um número menor do que 1,5%. "Sem inclusão na tomada de decisões de conservação e compromissos internacionais, essas espécies [não descobertas] e suas funções podem ficar para sempre perdidas na ignorância", acrescenta o ecologista.

O mapa aponta as florestas tropicais como os lucais com maior potencial de abrigar espécies desconhecidas (Imagem: Reprodução/Map of Life/Mario Moura/Walter Jetz)
O mapa aponta as florestas tropicais como os lucais com maior potencial de abrigar espécies desconhecidas (Imagem: Reprodução/Map of Life/Mario Moura/Walter Jetz)

Em contrapartida, as chances de descobertas de novas espécies não são iguais. Animais de grandes tamanhos e ampla circulação não teriam muitos parentes que ainda não conhecemos, porque é mais “fácil” de descobri-los. Já os animais pequenos que habitam os lugares mais improváveis como pequenas fendas ou terrenos inalcançáveis para nós — de acordo com o modelo, anfíbios e répteis são os animais com o maior número de espécies desconhecidas. “Temos a tendência de descobrir primeiro o 'óbvio' e depois o 'obscuro'”, explica o professor.

O Mapa da Vida apresenta alguns parâmetros da biodiversidade, como a riqueza e raridade de espécies, facetas da biodiversidade e potencial de descoberta. Estima-se que Brasil, Indonésia, Madagascar e Colômbia sejam os países com o maior número de vertebrados desconhecidos — representando cerca de um quarto de todos os animais previstos no mapa.

Estima-se que mais de 1,8 milhões de espécies foram descobertas desde 1758 (Imagem: Reprodução/Map of Life/Mario Moura)
Estima-se que mais de 1,8 milhões de espécies foram descobertas desde 1758 (Imagem: Reprodução/Map of Life/Mario Moura)

Hoje, a Terra passa por um período chamado antropoceno, o qual é marcado pelo forte impacto da ação humana no clima da Terra e no funcionamento dos seus ecossistemas — inclusive o que muitos pesquisadores já apontam com a 6ª extinção em massa. Muitas espécies correm o risco de jamais serem descobertas por serem extintas antes de qualquer chance. Os pesquisadores pretendem analisar essas estimativas sobre espécies vegetais, marinhas e invertebrados.

Nosso planeta apresenta uma biodiversidade gigante e para preservá-la precisamos, antes, conhecê-la. Estudos voltados para o mapeamento de tantos animais fora do catálogo da ciência precisam acelerar seus passos antes que seja tarde demais. “Após séculos de esforços por exploradores da biodiversidade e taxonomistas, o catálogo da vida ainda tem muitas páginas em branco”, apontam os autores do artigo.

Para conferir o mapa interativo basta acessar a página do Map of Life (MOL). O artigo com maiores detalhes da pesquisa está disponível na Nature Ecology & Evolution.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: