Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,06 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.777,30
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    55.902,28
    -5.337,17 (-8,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,61 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,67 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    -5,50 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6842
    -0,0369 (-0,55%)
     

Manifestantes pedem subsídio alimentar na Argentina

·1 minuto de leitura
O presidente argentino, Alberto Fernández, durante discurso à nação no Congresso, em Buenos Aires, 1º de março de 2021

Manifestantes de organizações sociais, apoiados por partidos de esquerda, saíram em passeata nesta quinta-feira em Buenos Aires para pedir mais assistência aos restaurantes populares e subsídios alimentares, em meio à crise econômica, agravada pela pandemia.

A mobilização e o ato na praça em frente à casa de governo foram chamados de "polentazo", em referência à polenta, prato tradicional dos setores populares. "A situação piora cada vez mais, porque vem gente mais velha, crianças, e, muitas vezes, não podemos atender a todos nos restaurantes populares. Ficamos sem poder dar aos vizinhos um prato de comida, é muito triste", contou Noemí Ávalos, da Frente de Organizações em Lucha (FOL).

A Argentina soma mais de 2 milhões de casos e mais de 54 mil mortos pelo novo coronavírus, em uma população de 44 milhões de habitantes. O desemprego está acima de 10% e a pobreza afeta mais de 40% da população. Em 2020, a contração econômica foi de 10%.

"Cada vez que definem pagamento de dívida ao FMI e aos detentores de títulos, todos os trabalhadores pagam. Muita gente vive abaixo da linha de pobreza, mesmo quem tem um trabalho formal e os que têm um trabalho informal", afirmou Mónica Sulio, líder do Movimento Socialista dos Trabalhadores.

mc-dm/dg/lb