Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.141,58
    +25,83 (+0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Manifestantes indígenas paralisam poços de petroleira no Equador

Manifestantes indígenas do Equador que se opõem às políticas do governo forçaram a paralisação de poços da PetroOriental, o que resulta em um prejuízo de 1.400 barris por dia (bpd), informou a empresa chinesa nesta terça-feira.

"Algumas de nossas locações petrolíferas estão ocupadas desde ontem ilegalmente e mediante o uso da força por algumas pessoas da etnia Waorani da comunidade Yawepare", na Floresta Amazônica. "Eles intimidaram nossos técnicos, apreenderam suprimentos e alimentos e os obrigaram a interromper a atividade de oito poços e equipamentos nas locações Nantu E e Campo Hormiguero”, acrescentou a petroleira.

O petróleo bruto é o principal produto tradicional de exportação do Equador. A PetroOriental explora os blocos 14 e 17, localizados na província amazônica de Orellana e que produzem cerca de 11.700 bpd.

Convocados pela principal organização indígena equatoriana, Conaie, os povos indígenas protestam desde ontem por tempo indeterminado contra o governo do conservador Guillermo Lasso, de quem exigem a redução dos preços dos combustíveis e a reestruturação das dívidas dos camponeses com os bancos. Além disso, houve bloqueio de estradas, como os acessos a Quito.

O presidente da Conaie, Leônidas Iza, foi preso hoje por supostos atos de vandalismo durante os protestos. Lasso denunciou um "ataque a uma instalação de bombeamento de petróleo" na Amazônia, sem identificar a empresa responsável pela mesma.

A PetroOriental informou que "as atividades nessas locações seguem paralisadas e não foi possível retomá-las mesmo com apoio militar, uma vez que as vias de acesso foram bloqueadas. Os veículos do Exército foram inutilizados pelo uso de lanças contra os pneus", acrescentou.

A empresa, que faz parte das grandes petroleiras chinesas CNPC e Sinopec, ressaltou que a situação foi notificada ao governo nacional, "para garantir a normalidade operacional e o cumprimento dos nossos contratos com o Estado equatoriano".

A produção de petróleo do Equador entre janeiro e abril foi de 481 mil bpd, dos quais 65% foram exportados, segundo o Banco Central do país.

sp/atm/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos