Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    -0,13 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    38.823,71
    +2.824,84 (+7,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,87 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    -1,50 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Manifestações pró-palestinos em Londres e Madri reúne milhares de pessoas

·2 minuto de leitura
Manifestação pró-palestinos em Londres, em 15 de maio de 2021

Milhares de pessoas protestaram neste sábado (15) no centro de Londres em apoio ao povo palestino e para pedir ao governo britânico que intervenha para impedir a operação militar israelense.

Os manifestantes se reuniram ao meio-dia em Marble Arch, próximo ao Hyde Park, de onde caminharam em direção à embaixada israelense, atravessando o parque, agitando bandeiras palestinas e cartazes pedindo a "libertação" dos territórios palestinos.

"É essencial que o governo britânico tome medidas imediatas", disseram os organizadores, entre eles a coalizão Stop the War, a associação muçulmana do Reino Unido, a organização Palestine Solidarity Campaign e a Campanha pelo Desarmamento Nuclear.

"Não deve mais permitir que a violência brutal contra o povo palestino e sua opressão por Israel fiquem impunes", acrescentaram, denunciando os ataques que mataram civis em Gaza como "crimes de guerra".

"O governo britânico é cúmplice desses atos, uma vez que oferece apoio militar, diplomático e financeiro a Israel", disseram os organizadores.

Já em Madri, cerca de 2.500 pessoas protestaram no centro em apoio à causa palestina. "O silêncio de uns é o sofrimento de outros", "Jerusalém, a capital eterna da Palestina", diziam as faixas e cartazes dos manifestantes, entre os quais um grande número de mulheres jovens.

"Não é uma guerra, é um genocídio!", gritavam, subindo da estação Atocha à praça do Sol. Muitos jovens estavam envolvidos em bandeiras palestinas.

"Eles estão nos massacrando. Estamos em uma situação em que a Naqba (a 'catástrofe' em árabe) continua em pleno século XXI", denunciou Amira Cheikh-Ali, de 37 anos, filha de refugiados palestinos, usando o termo para se referir ao êxodo dos palestinos após a criação do Estado de Israel em maio de 1948.

Estas manifestações são organizadas tendo como pano de fundo uma escalada militar nos últimos dias, sem precedentes desde 2014, entre Israel e o movimento palestino Hamas, dentro e ao redor da Faixa de Gaza, e violência em cidades mistas israelenses de árabes e judeus.

Apesar dos esforços diplomáticos para encerrar o conflito, a Força Aérea israelense bombardeou vários locais no enclave costeiro durante a noite de sexta-feira e neste sábado, enquanto cerca de 300 foguetes foram lançados de Gaza para Israel, de acordo com o Exército.

O último balanço fornecido pelas autoridades palestinas reporta 139 mortos, incluindo 39 crianças, e 1.000 feridos nos bombardeios israelenses na Faixa de Gaza desde segunda-feira.

Em Israel, mais de 2.300 foguetes foram lançados em território israelense desde segunda-feira, matando 10 pessoas, incluindo uma criança e um soldado, e ferindo mais de 560, de acordo com os serviços de emergência.

mpa/mr