Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.217,20
    -217,68 (-0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Mandetta tenta projetar nome como candidato à Presidência em 2022 e busca afastar DEM de Bolsonaro

Gustavo Schmitt e Sérgio Roxo
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO - O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta iniciou um movimento para tentar afastar o seu partido, o Democratas, do presidente Jair Bolsonaro. Paralelamente, ele pretende testar o seu nome como possível candidato ao Palácio do Planalto em 2022.

O primeiro passo foi dado na terça-feira, com a realização de uma live com o presidente nacional do DEM, ACM Neto. Na conversa, os dois adotaram um tom duro de críticas à postura do governo Bolsonaro na condução da pandemia do coronavírus.

ACM Neto, que no começo de fevereiro havia afirmado que não podia descartar que o DEM fosse com Bolsonaro em 2022, disse que o Brasil poderia estar hoje em outra situação se o governo tivesse deixado o "negacionismo de lado" e "assumido uma postura de respeito à ciência". Mandetta, por sua vez, destacou que para cuidar da pandemia é preciso "ter coração e se importar com a vida das pessoas humildes". Também criticou a indicação de uso de cloroquina e a omissão na compra de vacinas.