Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.180,08
    -47,59 (-0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Mandetta quer que fique em casa quando estiver sem ar, diz Bolsonaro em dia de ex-ministro na CPI

CONSTANÇA REZENDE
·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF 17.04.2020 - Luiz Henrique Mandetta. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF 17.04.2020 - Luiz Henrique Mandetta. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta atacou nesta terça-feira (4), em depoimento à CPI, o ministro da Economia, Paulo Guedes. Mandetta disse que Guedes é um "homem pequeno, desonesto intelectualmente" e que não merece estar no cargo.

A declaração foi feita após o ex-ministro ser questionado pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) sobre uma fala de Guedes de que Mandetta saiu com "R$ 5 bilhões no bolso" e que deveria ter aplicado em vacinas.

"Quando eu estive na Câmara, o recurso que a Câmara falou 'olha, nós temos aqui que, se for votado, que seria usado pelos parlamentares, nós vamos debater como fazer', e ele falou saiu com 5 bi e não comprou vacina", disse Mandetta. "Esse ministro não soube nem olhar o calendário para falar 'puxa, enquanto ele tava aqui nem vacina sendo comercializada no mundo havia'", completou.

Mandetta, porém, elogiou o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

"Esse, sim, ligava, perguntava, era extremamente atencioso e ajudou muito. Esse da economia não ajudou em nada. Pelo contrário, dizia 'já mandei o dinheiro, agora se livrem lá e vamos tocar a economia'. Talvez tenha sido uma das vozes que tenha influenciado o presidente", disse aos senadores.