Mercado fechado

Mandato de Weintraub no Banco Mundial vai até 30 de outubro e pode ser renovado

MARINA DIAS E IVAN MARTÍNEZ-VARGAS
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 04.06.2020 - O ministro da Educação, Abraham Weintraub, é carregado por apoiadores ao deixar o prédio sede da Polícia Federal. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

WASHINGTON, EUA, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O mandato de diretor executivo do conselho administrativo do Banco Mundial vai até 31 outubro. Depois disso, o governo brasileiro precisa renovar a indicação para o cargo, que segue novamente para a aprovação dos demais países do grupo do qual o Brasil faz parte. O processo é considerado uma formalidade.

Por ter diploma de economista e ter feito carreira no mercado financeiro, o ex-ministro da educação Abraham Weintraub foi indicado pelo governo brasileiro ao posto de diretor executivo do Banco Mundial para um grupo de países acionistas do qual o Brasil faz parte junto com Colômbia, Equador, Filipinas, Haiti, Panamá, República Dominicana, Suriname e Trinidad e Tobag

Nunca uma candidatura brasileira foi contestada e, portanto, a expectativa é que a nomeação do ex-ministro de Weintraub, que chegou ao banco nesta semana, seja aprovada.

Muitos diretores do banco seguem em seus países, como México e Panamá, por conta da pandemia do novo coronavírus. As atividades estão limitadas em Washington -a cidade está na primeira fase de reabertura da quarentena até a próxima semana.

O Banco Mundial, com sede em Washington, é uma instituição afeta à exposição pública e polêmicas de qualquer espécie, ainda mais nas redes sociais, onde Weintraub se mostrou muito ativo.

O Brasil já foi representado no organismo por Pedro Malan, Murilo Portugal e Otaviano Canuto, conhecidos pela discrição e diplomacia no trato privado e social.

Economista formado pela USP, Weintraub fez carreira no Banco Vototantim (hoje BV). Ele ingressou como estagiário no grupo em 1994, mesmo ano em que se graduou, e permaneceu na companhia por quase 18 anos, até 2012.

No grupo Votorantim, chegou a ser economista-chefe do banco e diretor-executivo da Votorantim Corretora no Brasil e da Votorantim Securities no Estados Unidos e na Inglaterra.

Em seu currículo, Weintraub afirma ter sido diretor da corretora de março de 2004 até sua saída, em maio de 2012.

Segundo ex-colegas e amigos, Weintraub foi homem de confiança de então presidente do banco Wilson Masao, que o nomeou como diretor da corretora.