Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    31.959,67
    +165,34 (+0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Com Covid avançando, Manaus vê média de enterros diários crescer 80% em 15 dias

·1 minuto de leitura
Foto: AP Foto/Edmar Barros
Foto: AP Foto/Edmar Barros

Manaus vive novamente um caos gerado pela pandemia do novo coronavírus. De acordo com dados da Prefeitura, em 15 dias, a média de enterros diários na cidade cresceu 80%. O sistema de saúde da cidade está sobrecarregado assim como o funerário. As mortes em casa dobraram.

Até o último dia 5, das mais de 5,4 mil mortes pelo Covid-19 em todo o Estado, mais de 3,4 mil foram registradas na capital. No início da pandemia, Manaus viveu um colapso no sistema funerário e registrou enterros em valas comuns. Na primeira onda da crise sanitária, a reportagem do Yahoo! registrou o tamanho do caos:

Segundo a Prefeitura, entre 22 e 26 de dezembro, a média diária de enterros ficou em 40. Nos últimos cinco dias do ano, o índice foi a 56. Agora, nos primeiros de 2021, a cidade registrou 72. O pico de sepultamentos aconteceu nesta quarta-feira (06): 110.

Leia também

O governo de Manaus tenta frear o contágio do vírus e ressaltou que a população deve buscar atendimento profissional ao sentir os primeiros sintomas de Covid-19. Isso é para evitar que o sistema de saúde já receba o paciente em estado grave.

O Estado entrou na “fase roxa” da pandemia, que representa alto risco, de acordo com a Fundação da Vigilância em Saúde (FVS).