Mercado abrirá em 2 h 55 min
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,28
    +0,37 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.807,20
    +2,60 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    19.072,71
    +218,73 (+1,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    378,15
    +8,40 (+2,27%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.450,64
    +18,47 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.103,75
    +27,75 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4054
    +0,0085 (+0,13%)
     

Maju Coutinho critica lógica racista de que 'preto parado é suspeito e correndo é culpado'

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A jornalista Maju Coutinho, 42, criticou na tarde desta quinta (22), durante o Jornal Hoje, da Globo, o fato de um homem negro ter passado quase três anos preso injustamente. "Tem que mudar essa lógica de que preto parado é suspeito e correndo é culpado, isso tem que mudar"", afirmou ela, ao final de reportagem sobre o assunto. O jovem de 26 anos foi solto na madrugada desta quinta. A frase gerou grande repercussão nas redes sociais, e alçou o nome de Maju Coutinho aos assuntos mais comentados no Twitter. Muitos internautas elogiaram o posicionamento da jornalista. "Maju Coutinho simples e objetiva", comentou um deles na rede social. "Eu vejo o Jornal Hoje não para me martirizar com as notícias sempre péssimas, mas sim para observar a grandeza de Maju Coutinho e seus comentários sempre sensacionais", disse outra internauta. Segundo reportagem do telejornal, Lucas Moreira de Souza chegou a ser condenado a quase 80 anos de prisão por uma série de assaltos. Depois de quase três anos preso, nesta semana, a Justiça do Distrito Federal reverteu a condenação contra ele após policiais do caso procurarem a Defensoria Pública para dizer que havia inconsistências nas provas.