Mercado fechado

Major Olimpio diz que Bebianno poderia ter provocado "hecatombe" política

Divulgação

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Senador afirmou que, se Bebbiano tivesse trazido a público determinadas informações, teria provocado uma “hecatombe política no Brasil de consequências piores".

  • Bebbiano morreu na madrugada do sábado depois de passar mal em seu sítio em Teresópolis, região serrana do Rio.

O senador Major Olímpio (PSL-SP) afirmou nesse sábado (14) que, se o ex-ministro Gustavo Bebbiano tivesse trazido a público determinadas informações, teria provocado uma “hecatombe política no Brasil de consequências piores".

Bebbiano morreu na madrugada do sábado depois de passar mal em seu sítio em Teresópolis, região serrana do Rio.

Leia também

Ontem, depois de saber da morte do ex-ministro, que foi também um dos principais articuladores da campanha presidencial de Jair Bolsonaro (sem partido), o senador postou mensagem no Twitter. Afirmou que Bebianno "agonizava a cada dia com a tristeza da execração pública" a que foi submetido e concluiu, de forma enigmática: "Enganam-se os que acham que com sua morte a verdade que ele conhecia irá morrer. O tempo é o senhor da razão."

Ao colunista Chico Alves, do portal UOL, Olímpio explicou o que quisera dizer com o post. "Vou dizer uma coisa: por mais agudas que tenham sido as manifestações que ele fez, não fez todas e não disse tudo", garantiu Olímpio. "Não tenho conhecimento de cartas, mas ele poupou Bolsonaro, poupou o Brasil. Se ele tivesse dito o que sabia provavelmente teríamos uma hecatombe política no Brasil de consequências piores", definiu.

Questionado novamente sobre o que Bebianno sabia para abalar a política brasileira, o parlamentar manteve o mistério. "Foi o que eu disse: o tempo é o senhor da razão. Nós vamos mostrar e os fatos vão acontecer espontaneamente", resumiu.

Sobre o que seria capaz de causar a suposta "hecatombe" no país, foi enigmático, novamente: "Bebianno nunca inventou história nenhuma, é o que eu posso te dizer. Deixa o tempo passar", repetiu.

"Ao longo do tempo, com informações documentais ou que possam chegar à tona, tanto eu quanto Julian (deputado Julian Lemos do PSL da Paraíba) poderemos ser testemunhas de muita coisa, pode ter certeza disso".

O parlamentar exaltou a competência e a fidelidade de Bebianno ao partido e a Bolsonaro e defendeu que, se não fosse por ele, pendências no diretório de São Paulo teriam inviabilizado a candidatura de Eduardo Bolsonaro e a sua própria.

"Ele sofreu muito com a saída do governo, chorou com as perseguições absurdas de algumas pessoas, inclusive do filho do Bolsonaro (Carlos). O presidente não deu suporte pra ele em nada", lamentou Olimpio.

Na publicação feita no Twitter, alguns bolsonaristas comentaram que o senador seria um "traidor" por fazer homenagem a outro "traidor". "As pessoas não têm a mínima sensatez. Mas juntando as informações do general Santa Rosa (ex-secretário de Assuntos Estratégicos do governo Bolsonaro), do Julian e também as minhas, pode ter certeza que não morreu com ele a verdade", rebateu.

"Nosso lamento, nossas orações. Mas a população terá desdobramentos e informações muito duras em função da morte dele. Let it be", encerrou, citando a expressão em inglês que é título de uma música dos Beatles e pode ser traduzida como "deixa estar".