Mercado abrirá em 8 h 54 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,49
    -0,28 (-0,53%)
     
  • OURO

    1.859,50
    +4,30 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    32.367,50
    -0,78 (-0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    654,76
    -22,14 (-3,27%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    29.680,50
    -478,51 (-1,59%)
     
  • NIKKEI

    28.641,13
    -181,16 (-0,63%)
     
  • NASDAQ

    13.433,75
    -41,75 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7110
    +0,0748 (+1,13%)
     

Major Olímpio discute com bolsonaristas durante comício no interior de São Paulo; assista

·1 minuto de leitura
Em discurso, à tribuna, senador Major Olimpio (PSL-SP).  Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado
Senador Major Olimpio (PSL-SP) rompeu com o presidente Jair Bolsonaro (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)

Antes bolsonarista, o senador Major Olímpio (PSL-SP) se envolveu em uma discussão com apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na última segunda-feira, 23. O parlamentar esteve em Taubaté, interior de São Paulo, para apoiar a candidata à prefeitura Loreny (Cidadania).

Segundo informações da coluna Painel, da Folha de S. Paulo, o senador diz ter sido surpreendido por um grupo de bolsonaristas que chamavam Major Olímpio de “traidor”. Enquanto é xingado por apoiadores do presidente, o senador respondeu com gritos de “ladrão” e “ladrão de rachadinha”.

À Folha, o senador declarou: “O que restou de bolsonaristas hoje são radicais que tentam se impor pela intimidação. Comigo, não. Ladrão é ladrão. Ladrão de direita é igual ladrão de esquerda. Simplesmente ladrão”.

Leia também

Major Olímpio ainda afirmou que os apoiadores de Bolsonaro em Taubaté cabem em um Mini Cooper e que eram apenas quatro pessoas.

Eleito em 2018 na esteira do bolsonarismo, o senador rompeu com o presidente Jair Bolsonaro depois da CPI da Lava Toga. Enquanto Bolsonaro queria que Olímpio assinasse, o senador não queria e afirmou que estava sendo pressionado. O parlamentar critica abertamente os filhos do presidente, investigados pela prática de rachadinha.