Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.909,03
    -129,08 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.867,15
    +618,13 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,71
    -0,21 (-0,32%)
     
  • OURO

    1.835,20
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    55.594,22
    -3.186,73 (-5,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.461,37
    -99,92 (-6,40%)
     
  • S&P500

    4.188,43
    -44,17 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.742,82
    -34,94 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.123,68
    -6,03 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    -14,99 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    29.024,21
    -494,13 (-1,67%)
     
  • NASDAQ

    13.295,00
    -61,75 (-0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3593
    +0,0191 (+0,30%)
     

Mais de um terço do gelo da Antártida pode derreter com o aquecimento global

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

Se o planeta Terra continuar esquentando, cerca de 34% das plataformas de gelo da Antártida podem desaparecer até o final deste século. A estimativa é o resultado de um estudo realizado pelas Universidades de Liege, na Bélgica, e Reading, na Inglaterra, e publicado na revista científica Geophysical Research Letters.

Os cientistas afirmam que o derretimento das camadas de gelo da Antártida vem acontecendo desde o início dos anos 2000, com a perda de massa acontecendo em taxas a cada vez maiores. Atualmente, nosso planeta conta apenas com duas camadas de gelo: a da Antártida e a da Groenlândia.

A pesquisa revela ainda que esse derretimento pode aumentar o nível do mar significativamente, e Christoph Kittel, um dos responsáveis pelo estudo, explica que isso acontece porque essas plataformas de gelo funcionam como se fossem represas, mantendo o gelo no continente. "Sem essas plataformas, grandes quantidades de gelo fluiriam diretamente para o oceano", conta.

<em>Imagem: Reprodução/Freepik/Wirestock</em>
Imagem: Reprodução/Freepik/Wirestock

Durante o verão, a neve que fica na superfície das plataformas derrete e faz com que a águe penetre pequenos espaços vazios nas camadas mais profundas da neve, congelando novamente e aumentando a resistência da plataforma. Porém, se o derretimento for muito grande, a água penetra nas camadas profundas e forma lagos na superfície. Na sequência, a infiltração aumenta o peso da água e pode rachar o gelo. Então, quando o derretimento de gelo é maior do que a neve que cai, a plataforma irá apresentar falhas. Em 2002, por exemplo, uma ruptura causou o desaparecimento da plataforma Larsen B, na Antártida, despejou cerca de 3.250 quilômetros quadrados de gelo no oceano.

O estudo foi feito com a ajuda de um Modelo Regional Atmosférico desenvolvido pelo Laboratório de Climatologia da Universidade de Liege, considerado um dos melhores do mundo para a análise dos climas polares. Foi possível, então, calcular a evolução das condições que levarão à falha da plataforma de Antártida em níveis de aquecimento de 1,5°C a 4°C, todos os cenários considerando até o fim deste século. Os pesquisadores chegaram à conclusão que, se o planeta Terra continuar aquecendo, a cada vez mais plataformas irão colapsar nos próximos anos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: