Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.505,87
    +467,04 (+1,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Grande asteroide se aproxima da terra nesta semana; entenda se há perigo

O asteroide 418135 (2008 AG33) realizará sua aproximação máxima com a Terra nesta quarta-feira (27), às 23h46 (horário de Brasília). A rocha espacial passará pelo nosso planeta a uma distância de aproximadamente 3,24 milhões de quilômetros, o equivalente a cerca de 3,84 vezes a distância média entre a Terra e a Lua.

Os asteroides são rochas espaciais que orbitam o Sol e têm pequenas dimensões quando comparados aos planetas do Sistema Solar. Descoberto em janeiro de 2008, este asteroide faz parte do subgrupo Apollo, formado por objetos cujas órbitas cruzam a da Terra.

Segundo Filipe Vieira de Melo Monteiro, astrônomo do Observatório Nacional, as estimativas apontam que o objeto tem entre 332 e 741 m de diâmetro, e deverá se aproximar da Terra à velocidade de 10,4 km/s.

Esquema da órbita do asteroide 418135 (2008 AG33) (Imagem: Reprodução/NASA/JPL)
Esquema da órbita do asteroide 418135 (2008 AG33) (Imagem: Reprodução/NASA/JPL)

Embora o 418135 (2008 AG33) não ofereça riscos de colisão (nesta ou em futuras aproximações), ele é considerado um asteroide potencialmente perigoso (ou “PHA”, na sigla em inglês). “É importante lembrar que todos os asteroides próximos da Terra (NEA, em inglês) com uma distância mínima de interseção com a órbita da Terra menor do que 0,05 unidades astronômicas e um diâmetro maior do que 150 m, são considerados PHAs”, explicou Monteiro, em um comunicado.

Segundo ele, estes objetos merecem atenção em função do potencial de encontros próximos frequentes com a Terra e outros planetas rochosos. Estas breves visitas e outros efeitos, como aqueles causados pela ação da luz solar, podem causar pequenos desvios nas órbitas dos asteroides — e, embora sejam pequenos, estas mudanças na trajetória deles precisam ser acompanhadas, principalmente quando se trata de objetos que apresentam risco de atingir a Terra.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos