Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.904,94
    -909,09 (-0,88%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.740,69
    -55,61 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,77
    -3,18 (-4,55%)
     
  • OURO

    1.773,80
    -11,40 (-0,64%)
     
  • BTC-USD

    57.539,03
    -587,50 (-1,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,69
    +21,91 (+1,52%)
     
  • S&P500

    4.566,97
    -88,30 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.484,18
    -651,76 (-1,85%)
     
  • FTSE

    7.059,45
    -50,50 (-0,71%)
     
  • HANG SENG

    23.475,26
    -376,98 (-1,58%)
     
  • NIKKEI

    27.821,76
    -462,16 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.131,00
    -259,75 (-1,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3727
    +0,0435 (+0,69%)
     

Mais de metade dos brasileiros considera cancelar streamings se preços subirem

·3 min de leitura

O preço é um fator primordial para a tomada de decisão dos brasileiros quanto a assinar ou continuar utilizando uma plataforma de streaming. De acordo com uma pesquisa da Sherlock Communications, 59% dos usuários daqui cogitam cancelar os pagamentos de serviços desse tipo caso os valores cobrados pelas empresas aumentem.

Esse número, inclusive, é maior do que o registrado na América Latina, onde 57% das pessoas pensariam no cancelamento caso os valores de um serviço aumentarem. Ainda na região, fortalece ainda mais a importância da política de preços a estimativa de que 41% dos clientes atuais assinaram um novo serviço em 2021 por causa de ofertas e promoções especiais, um crescimento considerável em relação aos 27% que afirmaram isso no ano passado.

Por outro lado, o movimento inverso não deve acontecer com tanta força por aqui. Houve, como na maioria dos países, aumento no consumo de conteúdo por streaming durante a pandemia, mas neste período pós-vacina, 50% dos brasileiros pretendem manter serviços e o hábito do entretenimento em casa. 11% afirmaram que devem assistir a ainda mais produções, enquanto 31% disseram que a reabertura deve levar a uma queda no tempo gasto diante da tela.

Caminhar em áreas externas, sair para encontrar os amigos e ir ao cinema estão entre as atividades preferidas desta retomada, quando o assunto foi a redução no uso de streaming. Por outro lado, 24% dos brasileiros e 27% do total da América Latina disseram que as plataformas são aliadas na hora de manter as crianças entretidas, enquanto 52% citaram a disponibilidade de episódios de suas séries preferidas como fator para ficar em casa.

Nesse mesmo caminho, entre os que cogitam um cancelamento, 33% afirmaram que a não disponibilização de seus programas favoritos levaria um cancelamento, total equivalente àqueles que citaram a falta de atualização geral dos conteúdos como um fator. Na hora de assinar ou cortar os pagamentos, 32% também consideram a presença de material no idioma local como um elemento primordial.

A pesquisa também demonstrou a amplitude de dados curiosos. Enquanto 46% afirmaram que não realizam nenhuma outra tarefa enquanto consomem conteúdo por streaming, outros 48% afirmaram que ficam ao celular enquanto fazem isso. Na América Latina, 15% das pessoas deixam as plataformas exibindo materiais enquanto trabalham, 27% conversam com a família ou amigos enquanto assistem e 31% afirmam que as produções são companheiras durante a realização de tarefas de casa.

Tudum no topo

<em>Netflix é a queridinha dos brasileiros com 63% da preferência dos usuários, mas esse amor pode mudar caso os preços subam demais (Imagem: Jade87 / Pixabay)</em>
Netflix é a queridinha dos brasileiros com 63% da preferência dos usuários, mas esse amor pode mudar caso os preços subam demais (Imagem: Jade87 / Pixabay)

De acordo com o estudo, a Netflix é de longe a plataforma de streaming mais popular do Brasil. 63% dos usuários daqui afirmam que ficariam apenas com ela caso tivessem que escolher um único serviço, enquanto o Prime Video, da Amazon, aparece em um distante segundo lugar, com 16%; a HBO Max completa o pódio, com 6%, seguida de Disney+ (5%) e Claro Vídeo (2%).

A briga em território nacional é pouca coisa mais acirrada do que a vista na América Latina. Em toda a região, a Netflix lidera soberana com 68% de preferência, seguida do Prime Video, da Amazon, com 12%. A pesquisa da Sherlock Communications entrevistou mais de três mil pessoas em seis países para compor o retrato do consumo no território.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos