Mercado fechará em 3 h 3 min
  • BOVESPA

    107.847,86
    +1.551,68 (+1,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.815,31
    -74,35 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,44
    +0,68 (+0,81%)
     
  • OURO

    1.809,50
    +13,20 (+0,73%)
     
  • BTC-USD

    63.593,47
    +3.512,08 (+5,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.518,24
    +1.275,56 (+525,61%)
     
  • S&P500

    4.561,73
    +16,83 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.741,74
    +64,72 (+0,18%)
     
  • FTSE

    7.222,82
    +18,27 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    26.132,03
    +5,10 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.424,00
    +83,00 (+0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5023
    -0,0785 (-1,19%)
     

Mais de dois terços das famílias paulistanas estão endividadas

·1 minuto de leitura

Mais de dois terços (69,2%) das famílias na capital paulista estavam endividadas em setembro, mostra pesquisa divulgada hoje (7) pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP). É a décima alta consecutiva do índice de endividamento e representa um aumento de 10,7 pontos percentuais na comparação com setembro de 2020. Ao todo, são 2,76 milhões de famílias com algum tipo de dívida, 81 mil a mais na comparação com agosto.

A inadimplência também cresceu, passando de 18,8% em agosto para 19%, no mês passado. São 759 famílias que têm dívidas com pagamentos em atraso.

O endividamento é mais alto na faixa de renda de até dez salários mínimos (71,1%) do que nos lares que têm rendimento acima desse patamar (63,5%).

O cartão de crédito compõe as dívidas de 81,1% das famílias com débitos a pagar, maior índice desde 2010. Em setembro de 2020, a modalidade de crédito havia sido utilizada por 72,8% das famílias endividadas. Enquanto 20,5% têm carnês para pagar.

Segundo a Fecomercio, parte do endividamento ocorre devido a reabertura econômica com a flexibilização da quarentena contra a disseminação da covid-19. Na avaliação da entidade, há uma percepção dos consumidores de que haverá melhoras na situação econômica nos próximos meses, o que se reflete em um aumento na intenção de compra.

Entretanto, a entidade pondera que o cenário só vai evoluir de maneira sustentável se houver melhora nos níveis de desemprego. “Os índices só irão melhorar de maneira realista quando houver uma geração de emprego mais sólida e consistente da economia, dando segurança para expandir o consumo, também via crédito, sabendo que conseguirão arcar com estes compromissos”, ressalta a entidade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos