Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.755,47
    +1.242,47 (+3,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Mais diversidade no mundo (inclusive no gamer)

·4 minuto de leitura

A estimativa é que tenhamos cerca de 2,7 bilhões de gamers no mundo até 2022. Se pararmos para imaginar como são essas quase 3 bilhões de pessoas de diferentes países e regiões, não conseguimos negar que estarão contempladas nesse meio indivíduos de diversas etnias, raça, gênero, orientação sexual, religião, dentre outras características que formam cada um de nós. E se existe toda essa diversidade do lado de fora, por que não levarmos para dentro dos jogos?

A diversidade de personagens dentro dos games atrai audiências mais amplas e, quando analisamos o cenário, é possível ver que para mulheres, pessoas negras, deficientes e dentro da comunidade LGBTQIA+, o sentimento do pertencimento e a importância da diversidade nos jogos é muito forte. Representatividade é necessária para se ter um público gamer diversificado e não faltam números que provem isso.

Um levantamento realizado pela Newzoo - líder em análises de jogos e e-sports, em parceria com a Intel, intitulado "Diversidade e Inclusão nos Jogos”, contou com a participação de 1.824 pessoas que se classificam como gamers. A pesquisa identificou lacunas e os principais insights da indústria e foi feita com o intuito de ajudar a tornar os jogos mais acessíveis e inclusivos.

Segundo o estudo, 54% dos participantes da pesquisa acreditam que diversidade é importante no enredo e 47% dos jogadores não se interessam por jogos que acham que não foram feitos para eles. Ou seja, marcas que destinam seus produtos e seu marketing para um público não diverso, estão perdendo uma grande fatia de clientes potenciais.

Isso representa uma oportunidade enorme - e perdida - para desenvolvedores que podem atender a essas necessidades. Jogos com personagens mais diversificados atraem um grupo mais amplo de jogadores e podem até incrementar a popularidade de um gênero ou franquia entre diferentes públicos.

Mais da metade dos jogadores sente que as marcas devem ter uma postura ativa em relação a questões sociais, independentemente da etnia, identidade de gênero ou orientação sexual ou se o entrevistado tem alguma deficiência. Se isentar do debate pode parecer a opção mais segura para as empresas a curto prazo, mas assumir uma postura ativa pode levar a um maior engajamento e receitas mais elevadas entre o diversificado público gamer.

O levantamento também aponta que acessibilidade e custos mais razoáveis serão fundamentais para fortalecer a diversidade e a inclusão nos jogos. Embora as opções de acessibilidade de jogos estejam melhorando, ainda há espaço para avançar. É importante que desenvolvedores e produtores tenham essas questões em mente quando lançam hardware, software ou games voltados a atrair público diverso.

Avançamos de fase

Não podemos ser negativos, é notório o avanço da diversidade no cenário dos games se compararmos com alguns anos, mas, ao mesmo tempo, vale pontuar que ainda estamos engatinhando em um caminho constante quando o assunto é inclusão e representatividade em geral.

Buscando lá atrás, um estudo de 2001 analisou cerca de dois mil personagens do universo dos jogos que apontou que todos os hispânicos/latinos e 83% dos personagens negros eram representados como esportistas. Com o passar dos anos, o cenário mudou, mas ainda em passos curtos, e podemos ver isso quando falamos de protagonismo nos principais jogos da indústria.

Os únicos games com uma pessoa não-branca como protagonista nomeados para um Game of The Year Award entre 2004 e 2018 foram GTA San Andreas e The Walking Dead.

O primeiro personagem LGBTQIA+ do mundo dos games, foi no jogo Moonmist, de 1986. A lista ganhou muitos nomes de lá para cá com vários jogos com personagens LGBTQIA+ relevantes e até mesmo protagonistas como: Ellie de The Last of Us, Maxine do Life is Strange, Soldier 76 de Overwatch, só para citar alguns.

Quando falamos de gênero, havia o mito antigamente de que um conteúdo com uma personagem feminina como principal não venderia. A primeira personagem feminina mais conhecida na história dos games também só foi aparecer em 1986 no jogo Metroid. O personagem principal vestia uma armadura especial e era revelado, somente na conclusão do game, como uma mulher, e aparecia apenas – pasmem- de biquíni.

A presença de mulheres entre público consumidor de games indica que esse cenário tende a evoluir nos próximos anos e que chegou para ficar. Para se ter uma ideia, segundo a 8ª edição da Pesquisa Games Brasil, divulgada esse ano, 50% do público de jogos eletrônicos do país é feminino.

Quando iniciamos um jogo, queremos poder imergir naquele universo, literalmente nos ver dentro do game, sem restrições ou pré-conceitos e, por isso, a representatividade é tão importante no mundo dos jogos. Aos poucos, estamos avançando de fase quando o assunto é diversidade e inclusão, mas ainda falta muito para fecharmos o game.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos