Mercado abrirá em 45 mins
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,87
    +1,42 (+1,61%)
     
  • OURO

    1.717,50
    -3,30 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    19.999,57
    -230,49 (-1,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    454,87
    -8,26 (-1,78%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    7.007,74
    +10,47 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.502,00
    -39,75 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1081
    -0,0054 (-0,11%)
     

Mais de 30% dos brasileiros temem ser cancelados na internet

Mais de um terço dos brasileiros temem ser cancelados na internet (Foto: Getty Images)
Mais de um terço dos brasileiros temem ser cancelados na internet (Foto: Getty Images)
  • 38% dos brasileiros têm medo constante de serem cancelados pelo conteúdo que postam nas redes sociais;

  • A felicidade alheia nas redes sociais faz com que 65% das pessoas se sintam insatisfeitas com suas vidas;

  • Para 84%, os haters podem influenciar no crescimento do nível de suicídio na sociedade

Medo de ser cancelado não é exatamente uma novidade, mas agora a suspeita tem comprovação com base em dados. Uma pesquisa nacional afirma que 38% dos entrevistados têm medo constante de serem julgados pelo conteúdo que postam nas redes sociais. O estudo foi divulgado pelo Datafolha nesta quinta-feira (15).

A pesquisa foi encomendada pela Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (Abrata) e pela empresa farmacêutica Viatris. Os resultados mostram que um terço dos ouvidos diz sentir muita ansiedade para saber se suas postagens serão bem aceitas ou não.

O estudo teve como cerne questões sobre a saúde mental dos usuários nas redes. 65% dos entrevistados se sentem pressionados a encarar as coisas sempre de uma forma muito positiva nas redes sociais, mesmo quando estão com problemas. Destes, 71% são mulheres e entre jovens de 16 a 24 o percentual é de 65%.

A pesquisa também apontou que a felicidade alheia nas redes sociais faz com que 65% das pessoas se sintam insatisfeitas com suas vidas. Já para 84%, os haters podem influenciar no crescimento do nível de suicídio na sociedade. Além disso, 79% dizem que as redes sociais podem contribuir para aumentar os problemas de saúde mental.

"Entre os mais novos, os nativos digitais, às vezes não há o mesmo discernimento dos mais velhos de que existe uma vida dentro das redes sociais e uma outra vida fora", disse o psiquiatra Fernando Fernandes, conselheiro da Abrata, para a "Folha de S. Paulo".

A pesquisa entrevistou mais de 2.098 pessoas a partir de 16 anos, de todas as classes econômicas, em 130 municípios dentro das cinco regiões socioeconômicas do Brasil.