Mercado abrirá em 4 h 47 min
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,88 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,40 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,41
    +1,13 (+1,02%)
     
  • OURO

    1.855,60
    +13,50 (+0,73%)
     
  • BTC-USD

    30.491,30
    +1.068,27 (+3,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    683,33
    +9,95 (+1,48%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,80 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.462,58
    +72,60 (+0,98%)
     
  • HANG SENG

    20.472,75
    -244,49 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.001,52
    +262,49 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    11.970,00
    +129,25 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1574
    +0,0046 (+0,09%)
     

Mais de um milhão de famílias estavam na fila do Auxílio Brasil em fevereiro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
O ideal seria que o Auxílio Brasil tivesse mais de 18 milhões de famílias contempladas
O ideal seria que o Auxílio Brasil tivesse mais de 18 milhões de famílias contempladas (Getty Image)
  • O governo Bolsonaro afirmou no começo do ano que a fila estava zerada

  • No entanto, em fevereiro mais de 1 milhão de famílias que tinham direito ainda esperavam

  • Estudo aponto que o ideal seria que o programa tivesse mais de 18 milhões de famílias contempladas

Apesar do Ministério da Cidadania afirmar que a fila do Auxílio Brasil estava zerada no início do ano, o número voltou a crescer. Um levantamento da Confederação Nacional de Municípios (CNM) apontou que 1.050.295 famílias que atendem aos requisitos para receber o benefício não tiveram acesso ao direito em fevereiro deste ano.

Isso porque a demanda reprimida teve um salto em relação ao mês anterior, quando o número de núcleos familiares que esperavam pelo dinheiro era de 434.421. Essa queda aconteceu com a inclusão de cerca de 3 milhões de famílias dentro do programa entre dezembro de 2021 e janeiro de 2022, quando o governo transformou o Bolsa Família em Auxílio Brasil.

O número de pessoas que esperavam teve uma redução de 86,4%, para 434,2 mil, com a inserção das 3 milhões de famílias no programa. No entanto, no mês seguinte aconteceu um aumento de 142% no número de famílias sem acesso ao benefício.

A pesquisa ainda mostra que na metade do ano passado mais de 25 milhões de famílias estavam no Cadastro Único, e cerca 19,1 milhões atendiam aos requisitos para receber o benefício. Isso significa que 76% das famílias brasileiras inscritas no CadÚnico deveriam estar incluídas no programa criado pelo governo. Mesmo assim, o número de beneficiários era de apenas 16,7 milhões.

Em janeiro deste ano, número de beneficiados passou de 14,5 milhões para 17,5 milhões. A CNM ressalta que o ideal seria que o programa tivesse mais de 18 milhões de famílias contempladas pela transferência de renda para zerar a fila de verdade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos