Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,48
    +2,28 (+2,92%)
     
  • OURO

    1.783,00
    +19,30 (+1,09%)
     
  • BTC-USD

    17.063,47
    +585,38 (+3,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,88
    +5,18 (+1,29%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    12.069,00
    +544,25 (+4,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3957
    -0,0609 (-1,12%)
     

Mais de 3,4 milhões estão desempregados há pelo menos 2 anos, diz IBGE

Taxa de desemprego no Brasil ficou 11,1% no 1° trimestre de 2022
Taxa de desemprego no Brasil ficou 11,1% no 1° trimestre de 2022
  • Mais 4,88 milhões de brasileiros procuravam trabalho há mais de um mês;

  • Atualmente o Brasil conta com 11,95 milhões de desempregados;

  • Quanto mais tempo o trabalhar fica desempregada, mais difícil é a busca por recolocação

Quase 3,5 de brasileiros estão enfrentando o desemprego há pelo menos 2 anos, revela um levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgado nesta sexta-feira (13). Considerando os que procuram uma oportunidade de trabalho há um ano, esse número chega a 5 milhões.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) e revelam que os desempregados há dois anos equivalem a 29% do total de 11,95 milhões de desempregados existentes no Brasil. Outros 1,55 milhão buscavam emprego há pelo menos um ano, porém menos de dois anos, 12,9% do total de desocupados.

Mais 4,88 milhões de brasileiros procuravam trabalho há mais de um mês, mas menos de um ano, sendo 40,8% do total de desempregados. Outros 2 milhões tentavam uma vaga há menos de um mês, 17,2% do total. Só é considerado desempregado aquele trabalhador que não está ocupado no mercado de trabalho, tem disponibilidade para trabalhar e está, efetivamente, em busca de uma vaga.

A última análise detalhada da fila de desemprego divulgada pelo IBGE foi referente ao ano de 2019, quando o país bateu o então recorde de desempregados tentando se recolocar no mercado de trabalho há mais de dois anos. Naquele ano, eles somavam 26,8% do total. Mulheres e idosos eram os mais afetados.

Recolocação se torna mais difícil

Um outro dado que é possível indicar com base na pesquisa do IBGE, é que a quanto mais tempo a pessoa fica desempregada, mais difícil se torna a busca por recolocação no mercado de trabalho. Historicamente, é na faixa de 1 mês a menos de um ano que se concentram a maioria dos desempregados no Brasil.

No segundo trimestre de 2020, auge da crise provocada pela pandemia, os desempregados nesta faixa representavam 58% do total, proporção recorde de toda a série histórica da pesquisa.Desde então, essa proporção diminuiu trimestralmente até o 4º trimestre de 2021, quando chegou a 39,4%. Ou seja, houve ligeiro aumento desse contingente na passagem para o 1º trimestre de 2022.

Enquanto os recém-desempregados conseguiam se recolocar, a proporção de desempregados há mais de 2 anos aumentou seguidamente entre o 2º trimestre de 2020 e o 4º trimestre de 2021.