Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.044,26
    +53,11 (+0,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Mais da metade dos donos de estabelecimentos comerciais não usou empréstimos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um levantamento da Alelo junto a estabelecimentos comerciais revelou que a maioria tocou seu negócio sem bater à porta de bancos à procura de empréstimos para capital de giro, o que sinaliza para uma retomada das atividades pós pandemia.

No entanto, três a cada dez empresários consultados afirmaram ter recorrido ao socorro do crédito.

Nesse grupo, pouco mais de 13% deles afirmaram ter contratado empréstimos há mais de um ano; 11% acessaram crédito recentemente; e 7%, no ano passado.

Mais da metade usou o dinheiro emprestado para pagar contas e a outra parte (45%) aplicou na expansão ou melhoria de seu comércio.

A Alelo ouviu 700 estabelecimentos, sendo a metade formada por donos de restaurantes e supermercados.