Mercado fechará em 1 h 44 min
  • BOVESPA

    109.991,40
    -1.932,53 (-1,73%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.865,33
    -369,04 (-0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,00
    -0,98 (-1,23%)
     
  • OURO

    1.784,20
    -25,40 (-1,40%)
     
  • BTC-USD

    17.070,77
    +68,14 (+0,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    403,14
    -8,07 (-1,96%)
     
  • S&P500

    4.016,14
    -55,56 (-1,36%)
     
  • DOW JONES

    34.069,67
    -360,21 (-1,05%)
     
  • FTSE

    7.567,54
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.848,50
    -161,75 (-1,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5222
    +0,0282 (+0,51%)
     

Mais calotes de pequenos mercados emergentes são "prováveis" em 2023, diz Fitch

JOANESBURGO (Reuters) - Mais inadimplências da dívida soberana são "prováveis" no próximo ano entre pequenos países emergentes, disse a agência de classificação de risco Fitch em sua perspectiva para 2023 nesta segunda-feira, citando a probabilidade de saltos repentinos nos custos de empréstimos, perda de acesso ao mercado e necessidades urgentes de financiamento.

Enquanto isso, o processo de reestruturação da dívida do Grupo dos 20 (G20), o Quadro Comum, que está em andamento na Zâmbia e na Etiópia e foi concluído no Chade, provou ser ineficaz para facilitar as reestruturações e é improvável que melhore no próximo ano, acrescentou a agência.

Dezenas de países emergentes, especialmente os menores e mais arriscados, chamados de mercados de fronteira, viram seus custos de empréstimos subirem para níveis insustentáveis em 2022, depois que o Federal Reserve entrou em um ciclo de aperto monetário em um esforço para conter a inflação crescente após a invasão russa da Ucrânia e bloqueios contínuos contra a Covid-19 na China.

"O acesso ao mercado de títulos internacionais continuará sendo um desafio para os mercados emergentes pequenos e de fronteira, e mais inadimplências são prováveis", disse o relatório da Fitch. “Como em 2022, haverá casos de desafios de financiamento mais urgentes em mercados emergentes menores e de fronteira.”

Uma parcela maior dos mercados emergentes teve uma perspectiva positiva de classificação de crédito em comparação com os mercados desenvolvidos pela primeira vez desde 2018, disse a Fitch.

No entanto, 2022 foi o segundo pior ano para rebaixamentos de mercados emergentes, disse a agência de classificação de risco em comunicado que acompanha o relatório.

(Reportagem de Rachel Savage)